Desafios, saberes e práticas da formação docente quanto às tecnologias digitais

Andréa Lourdes Ribeiro, Ana Paula Martins Corrêa Bovo, Patrícia Karla Soares Santos Dorotéio

Resumo


Este artigo apresenta os desafios, saberes e práticas que permeiam a formação docente nos cursos de licenciatura.  O objetivo é compreender que espaços e tempos nos projetos pedagógicos são destinados à profissionalização docente para a apropriação das tecnologias digitais como recurso para a práxis.  Estudos sobre esta questão mostraram que os currículos precisam prever mudanças para fomentar a interação entre aluno-professor-tecnologia, além de motivar e preparar os futuros professores para usar a tecnologia digital (cf. KENSKI, 2003; FRIZON, 2015; SOUZA & SHNEIDER, 2016). A pesquisa de cunho qualitativo mapeou palavras-chave pertencentes ao campo semântico da tecnologia digital para compreender como esta formação acontece em cada projeto pedagógico. Os resultados apontaram para a necessidade de um olhar mais detalhado e crítico sobre a estrutura curricular das licenciaturas de modo a ponderar sobre a efetiva contribuição dos currículos para a formação de professores efetivamente preparados para o uso da tecnologia digital.


Palavras-chave


Formação inicial docente; Tecnologia digital; Currículo

Texto completo:

PDF

Referências


BARRETO, E. S. Políticas de Formação docente para a educação básica no Brasil: embates contemporâneos. USP, FCC, São Paulo, 2015.

BORGES NETO, H. Uma classificação sobre a utilização do computador pela Escola. Educação em Debate, Fortaleza, v. 37, n. 1, p. 135-138, 1998.

BRASIL, Lei de Diretrizes. Parecer CNE/CP 009/2001-Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena, v. 8, n. 05, 2001.

BRASIL, Conselho Nacional de Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Resolução CNE/CP n. 02/2015, de 1º de julho de 2015. Brasília, Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, seção 1, n. 124, p. 8-12, 02 de julho de 2015.

DINIZ-PEREIRA, J. E. Lentes teóricas para o estudo da construção da identidade docente. Educação em Perspectiva, Viçosa, v. 7, n. 1, p. 9-34, jan./jun. 2016.

FRIZON, Vanessa; LAZZARI, Márcia de Bona; SCHWABENLAND, Flavia Peruzzo; 2015

GATTI, B. Formação de professores: condições e problemas atuais. Revista Internacional de Formação de Professores (RIFP), Itapetininga, v. 1, n.2, p. 161-171, 2016.

KENSKI, V. M. Tecnologias e ensino presencial e a distância. Campinas-SP: Papirus, 2003.

LIBÂNEO, J. C. Adeus professor, adeus professora: novas exigências educacionais e profissão docente. - 7. Ed. – São Paulo: Cortez, 2003.

NÓVOA A. Os professores e a sua formação. Lisboa: Publicações D. Quixote, 1992.

__________. Profissão professor. Porto: Porto Editora, 1992.

__________. Pensar la escuela más allá de la escuela, In Con-Ciencia Social, vol. 17, 2013, pp. 27-38.

SALDANHA, L. E. Tecnologia educacional. - Porto Alegre: Globo, 1978.

SOUZA, A. A.; SCHNEIDER, H. N. Tecnologias digitais na formação inicial docente: articulações e reflexões com o uso de redes sociais. ETD – Educação Temática Digital, Campinas, SP, v.18, n.2, abr./jun. 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Andréa Lourdes Ribeiro, Ana Paula Martins Corrêa Bovo, Patrícia Karla Soares Santos Dorotéio

ISSN: 2674-905X