A FEIRINHA DE ITAGUARA (MG): cores, aromas, sabores, ritmos e afetos

Maria Antonieta Teixeira, Rosivane Iranilda de Oliveira

Resumo


Este artigo busca conhecer a feira livre do município de Itaguara (MG), onde os frequentadores compartilham de um ambiente que conjuga geração de renda, socialização e lazer. A justificativa para um estudo dessa natureza provém da sua representatividade econômica e cultural que revela a permanência de estruturas tradicionais e a modernidade característica das cidades contemporâneas, como Itaguara, localizada às margens da BR-381, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Nesse sentido, conhecer a feira permite conhecer a dinâmica urbana local, como lócus da produção e reprodução urbano-rural.


Texto completo:

PDF 106-118

Referências


ANGULO, J. L. G. Mercado local, produção familiar e desenvolvimento: estudo de caso da feira de Turmalina, Vale do Jequitinhonha, MG. Organizações Rurais e Agroindustriais. Revista de Administração da UFLA – v.5 – n. 2 – julho/dezembro, 2003.

BATALHA, M. O.; BUAINAIN, A. M.; SOUZA FILHO, H. M. Tecnologia de gestão e agricultura familiar. São Carlos: Ed UFSCAR, 2005.

BOECHAT, P. T. V.; SANTOS, J. L. Feira livre: dinâmicas espaciais e relações identitárias. Universidade Estadual da Bahia - Campus V, 2009. Disponível em:. Acesso em: 05 de maio 2018.

FERREIRA, T. B. Comunicação e Marketing: Um estudo das interações comunicacionais entre feirantes e fregueses na feira livre de Paripiranga/BA. Departamento de Comunicação Social - Programa de Pós-Graduação em Comunicação. Universidade Federal de Sergipe – Aracaju/SE, 2017.

MÜLLER, A. L. A construção das políticas públicas para a agricultura familiar no Brasil : o caso do Programa de Aquisição de Alimentos. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Rural) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Faculdade de Ciências Econômicas, Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural, Porto Alegre, 2007.

PEREIRA, V. G.; BRITO, T. P.; PEREIRA, S. B.A feira-livre como importante mercado para a agricultura familiar em Conceição do Mato Dentro (MG). Revista Ciências Humanas - Educação e Desenvolvimento Humano - UNITAU, Taubaté/SP - Brasil, v. 10, edição 20. Dezembro, 2017.

SACHS, I. Brasil rural: da redescoberta à invenção. Estudos avançados. vol.15 no.43 São Paulo, Sept./Dec. 2001.

SALES, A. P.; REZENDE, L. T.; SETTE, R. S. Negócio feira livre: um estudo em um município de Minas Gerais. III Encontro de Gestão de Pessoas e Relações de Trabalho – 20 a 22 de novembro de 2011. João Pessoa/PB, 2011.

SATO, L. Processos cotidianos de organização do trabalho na feira livre. Psicologia e Sociedade. 19. Edição Especial 1: 95-102,2007.

SOUZA,D.H.B.;DANTAS,J.C.;MATIAS,T.B.O.;MOREIRA,E.Feiralivreeculturapopular: espaço de resistência ou de subalternidade? VII Congresso Brasileiro de Geógrafos- 10 a 16 de agosto – Vitória/ES, 2014.

VEDANA, V. Fazer a feira e ser feirante: a construção cotidiana do trabalho em mercados de rua no contexto urbano. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 19, n. 39, p. 41-68, jan./jun. 2013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.