PERSPECTIVAS E DESAFIOS PARA A REINSERÇÃO DA PESSOA COM TRANSTORNO MENTAL NA SOCIEDADE

Maria Augusta de Assis Vieira, Frederico Cordeiro Martins, Carolina Assis Vieira Oliveira, Maria Elisa Erhardt Teatini

Resumo


O presente artigo apresenta uma reflexão teórica sobre a trajetória histórica da saúde mental no Brasil, enfatizando o processo de reforma psiquiátrica e sua relevância para a construção de um novo modelo de assistência psiquiátrica, contemplando a contribuição da família nesse processo e principalmente a participação do Serviço Social na prestação de serviços as pessoas com transtornos mentais em suas demandas, funções e desafios. Utilizou-se, como metodologia, a pesquisa bibliográfica, com a utilização de livros, artigos disponíveis. Conclui-se que o Serviço Social, através de assistentes sociais, contribui para a inserção das pessoas com transtornos mentais na sociedade, mas sua atuação necessita de inúmeros fatores, e da viabilização do Estado. Mas pode-se dizer que o modelo de assistência em saúde mental tem sido de fundamental importância para a melhoria na forma de tratar esses pacientes. Por meio dos serviços substitutivos ao hospital psiquiátrico é possível promover a inserção social dos usuários, abandonando-se o modelo asilar, visando sempre a qualidade de vida e o convívio social. Por meio dos serviços substitutivos ao hospital psiquiátrico é possível promover a inserção social dos usuários, visando sempre a qualidade de vida e o convívio social.

Texto completo:

PDF 125-146

Referências


ABADE, Flávia. Caracterização do trabalho do Assistente Social em equipe: interdisciplinar de Saúde Mental no Centro de Atenção Integral à saúde de Santa Rita – Cais – RS. 10º CBAS, Rio de Janeiro, 2001.

AMARANTE, Paulo. Loucos pela vida: a trajetória da reforma psiquiátrica no Brasil. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 1988.

AMARANTE, Paulo. Saúde mental e atenção psicossocial. 2. ed. Rio de Janeiro, Ed. Fiocruz, 2008.

AMARANTE, Paulo (Coord.). Saúde mental, políticas e instituições: Programa de Educação a Distância. Rio de Janeiro. Módulo. 7. Fiotec/Fiocruz, EAD/Fiocruz. 2009.

BASAGLIA, Franco. A psiquiatria alternativa: contra o pessimismo da razão o otimismo da prática. Conferências no Brasil. São Paulo: Monsanto, 1982.

BISNETO, José Augusto. Serviço Social e Saúde Mental: uma análise institucional da prática. São Paulo: Cortez, 2007.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, 1988.

BRASIL. Lei nº. 10.216, de 6 de abril de 2001. Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. In: BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. Secretaria de Atenção à saúde. Legislação em Saúde Mental. 5. ed. ampl. Brasília: 1990-2004.

GAMBATTO, Rosani; SILVA, André Luiz Picolli da. Reforma psiquiátrica e a reinserção do portador de transtorno mental na família. In: Psicol. Argum., Curitiba, v. 24, n. 45 p. 25-33, abr./jun. 2006.

IAMAMOTO, Marilda. O Serviço Social na Contemporaneidade: trabalho e formação profissional. São Paulo. Cortez. 1998.

KANTORSKI, L. P.; COIMBRA, V. C. C.; DEMARCO, D. A.; ESLABÃO, A. D.; NUNES, C. K.; GUEDES, A. C. A importância das atividades de suporte terapêutico para o cuidado em um Centro de Atenção. In: Rev. enferm. saúde. Pelotas (RS) 2011 jan-mar; 1(1): 4-13.

MONTAÑO, Carlos. A natureza do serviço social: um ensaio sobre sua gênese, a “especificidade” e sua reprodução. São Paulo: Cortez, 2007.

OLIVEIRA, Márcia A. Ferreira; COLVERO, Luciana de Almeida. A saúde mental no programa saúde da família. In: BRASIL. Instituto para o desenvolvimento da saúde. Universidade de São Paulo. Ministério da Saúde. Manual de enfermagem. Brasília: Ministério da Saúde, 2001, cap. 6, p. 197-210.

OLIVEIRA, Jaime A. Reformas e reformismo: "democracia progressiva" e políticas sociais (ou "para uma teoria política da reforma sanitária"). Cad. Saúde Pública [online]. 1987, vol.3, n.4, pp. 360-387. ISSN 0102-311X. Disponível em: Acesso em: 3 abr. 2014.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS) (2001). Organização Panamericana da Saúde. Relatório sobre a saúde no mundo 2001: Saúde mental - nova concepção, nova esperança. Genebra: Organização Mundial da Saúde.

ROSA, Lúcia Cristina dos Santos. Os saberes construídos sobre a família na área da saúde mental. In: Revista Serviço Social e Sociedade. Ano XXIII, São Paulo: Cortez, 2002.

SANTOS, Cláudia Mônica. Na prática a teoria é outra? Mitos, dilemas na relação entre Teoria, Prática, Instrumentos e Técnicas no Serviço Social. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2010.

SILVA E SILVA, M. O. S. (Coord). O Serviço social e o popular: resgate teórico-metodológico do projeto profissional de ruptura. 4 eds. São Paulo: Cortez, 2007.

TESARO, Elizandra. Tecendo algumas reflexões sobre o serviço social no contexto da saúde - como foco principal, a questão da saúde mental. 2010. Disponível em: . Acesso em: 2 abr. 2014.

VITAL, Natália Silva. Atuação do Serviço Social na área de saúde mental frente ao liberalismo. 2007. 61 f. TCC (Especialização em Serviço Social) – Escola de Serviço Social, Universidade do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.