Representações acerca das práticas escolares no Colégio Nossa Senhora de Lourdes, Farroupilha/RS (1922-1954) / Representations on school practices in Nossa Senhora de Lourdes School, Farroupilha/RS (1922-1954)

Gisele Belusso, Terciane Angela Luchese

Resumo


O Colégio Nossa Senhora de Lourdes, instituição centenária, localizada em Farroupilha, Rio Grande do Sul, é um espaço privilegiado para a compreensão das representações acerca das práticas escolares entre 1922 a 1954, em virtude de seu acervo histórico institucional. Com o aporte teórico da História Cultural e a metodologia da análise documental histórica e da história oral, as fontes mobilizadas são: o Relatório de Verificação Prévia para autorização do curso ginasial, o Regimento Interno da instituição e fotografias. Também fazem parte do corpus empírico seis narrativas de história oral. Foram analisadas as representações acerca das práticas escolares que organizam os tempos e espaços da instituição com especial enfoque para o interior da sala de aula. A partir de então é possível afirmar que as práticas escolares na instituição formam permeadas por pertencimentos étnicos (italianidade), culturais e religiosos (catolicidade), os quais geraram estratégias e táticas singulares nos processos educativos.


Palavras-chave


Práticas escolares; instituições escolares; culturas escolares

Texto completo:

PDF

Referências


ALBERTI, Verena. Histórias dentro da história. In: PINSKY, Carla Bassanesi. Fontes históricas. São Paulo: Contexto, 2005. p. 155 – 202.

BOTO, Carlota. A liturgia moderna: saberes, valores, atitudes e exemplos. Revista de História da Educação, Porto Alegre, v. 18, n. 44, set./dez. 2014, p. 99-127.

______. A liturgia escolar na idade moderna. Campinas, SP: Papirus, 2017.

BURKE, Peter. A escrita da história cultural novas perspectivas. Tradução de Magda Lopes. São Paulo: Editora da UNESP, 1992.

_____. Variedades de história cultural. Tradução de Alda Porto. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. 2000.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: artes de fazer. Tradução de Ephraim Ferreira Alves. 2.ed. Rio de Janeiro: Vozes, 1994.

CHARTIER, Anne- Marie.Fazeres ordinários da classe: uma aposta para a pesquisa e para a formação. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.26, n.2, jul./dez. 2000. p. 157-168. Disponível em: . Acesso em: 18 ago. 2015.

CHARTIER, Roger. A história cultural: entre práticas e representações. Tradução de Marcia Manuela Galhardo. 2. ed. Lisboa: Difusão Editorial, 2002.

COMÊNIO, João Amós. Didática Magna. Trad. Joaquim Ferreira Gomes. 4.ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1996.

FAGGION. Carmen Maria; LUCHESE, Terciane Ângela. Professores da região colonial italiana ensinando português em tempos de nacionalização estadonovista: memórias de formação e práticas escolares. História e Perspectivas. Uberlândia. n.50. p. 261-282.jan./jun.2014. Disponível em: < HTTP://WWW.SEER.UFU.BR/INDEX.PHP/HISTORIAPERSPECTIVAS/ARTICLE/VIEWFILE/27500/15076>. Acesso em: 20 ago. 2015.

FARIA FILHO, Luciano Mendes de. Escolarização e cultura popular no Brasil: reflexões em torno de alguns pressupostos e desafios. In: BENCOSTTA, M. L. (Org.). Culturas escolares, saberes e práticas educativas itinerários históricos. São Paulo: Editora Cortez, 2007. p. 193-211.

______. Dos pardieiros aos palácios: forma e cultura escolar em Belo Horizonte (1906/1918). 2.ed. Uberlândia: EDUFU, 2014.

GIOLO, Jaime.Estado & Igreja na implantação da República gaúcha: a educação como base de um acordo de apoio mútuo. Periódicos dos programas de pós-graduação em Educação da UCDB, n. 27, p. 243-256, jan./jun. 2009. Disponível em:< HTTP://WWW.SERIE-ESTUDOS.UCDB.BR/INDEX.PHP/SERIE-ESTUDOS/ARTICLE/VIEW/214>. Acesso em: 12 mai. 2015.

HALBWACHS, Maurício. A memória coletiva.2.ed. Tradução de La mémorie collective. São Paulo Centauro, 2006.

JULIA, Dominique. A cultura escolar como objeto historiográfico. Tradução de Gizele de Souza. Revista Brasileira de História da Educação, n.1, p.9-44, jan./jun. 2001. Disponível em: HTTP://WWW.RBHE.SBHE.ORG.BR/INDEX.PHP/RBHE/ARTICLE/VIEW/273. Acesso em: 15 abr. 2015.

KREUTZ, Lúcio.A nacionalização do ensino no Rio Grande do Sul: medidas preventivas e repressivas. In: QUADROS, C. de. Uma gota amarga: itinerários de nacionalização no Rio Grande do Sul. Santa Maria: Editora UFSM, 2014. P. 153-190.

LAZZARON, Vanessa. História do Colégio do Carmo de Caxias do Sul/RS: práticas pedagógicas e rotinas escolares (1908 – 1933). 2015. 301 p. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade de Caxias do Sul, Programa de Pós-Graduação em Educação, Caxias do Sul, 2015.

LE GOFF, Jacques. História e memória.Tradução de Bernardo Leitão, et al. 4.ed. Campinas/SP: Editora Unicamp, 1996.

LOZANO, Jorge Eduardo Aceves. Prática e estilos de pesquisa na história oral contemporânea. In: FERRREIRA, M. de M; AMADO, J. (Org.). Usos & Abusos da História Oral. 7.ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2005.p.15-25.

LUCHESE, Terciane Ângela. O processo escolar entre imigrantes no Rio Grande do Sul. Caxias do Sul: Educs, 2015.

MAGALHÃES, Justino. Tecendo nexos: história das instituições educativas. Bragança Paulista: Editora Universitária São Francisco, 2004.

NORA, Pierre. Entre memória e história: a problemática dos Lugares. Projeto História. São Paulo, n. 10, p. 7-28, 1993. Disponível em < HTTP://REVISTAS.PUCSP.BR/INDEX.PHP/REVPH/ARTICLE/VIEWFILE/12101/8763>. Acesso em: 12 abr. 2015.

OLIVEIRA, Lúcia Helena. Memória e História Educacional: o papel do Colégio Santa Teresa no processo escolar de Ituiutaba no Triângulo Mineiro-MG (1939-1942). 2003. 149 f. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal de Uberlândia, Programa de Pós-Graduação em Educação, Uberlândia, 2003.

PERES, Eliane Terezinha Peres. Aprendendo formas de pensar, de sentir e de agir a escola da vida: discursos pedagógicos e práticas escolares da escola pública primária gaúcha (1909 – 1959). 2000.494 p. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de Minas Gerais, Programa de Pós-Graduação em Educação, Belo Horizonte, 2000.

PEROTTI, Tânia. Nanetto Pipetta: modos de representação. 2007. 127p. Dissertação (Mestrado em Letras e Cultura Regional) – Universidade de Caxias do Sul, Programa de Mestrado em Letras e Cultura Regional da Universidade de Caxias do Sul, Caxias do Sul, 2007.

PESAVENTO, Sandra Jatahy. História e história cultural. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

QUADROS, Claudemir de. Reforma, ciência e profissionalização da educação: o centro de pesquisas e orientação educacionais do Rio Grande do Sul. 2006. 312 p. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2006.

SAVIANI, Demerval. Escola e democracia: teorias da educação, a curvatura da vara, onze teses sobre educação e política. 32 ed. Campinas, SP: Autores Associados, 1999.

SOUZA, José Edimar de. As escolas isoladas: práticas escolares no meio rural de Lomba Grande/RS (1940-1952). 2015. 292 p. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade do Vale dos Sinos, Programa de Pós-Graduação em Educação, São Leopoldo, 2015.

SOUZA, Rosa Fátima de. Templos de civilização: a implantação da escola primária graduada no estado de São Paulo (1890-1910). São Paulo: Fundação Editora da Unesp, 1998.

______. Alicerces da Pátria: história da escola primária no estado de São Paulo (1890-1976).Campinas, SP:Mercado das Letras, 2009.

VIDAL, Diana Gonçalves. Práticas de leitura na escola brasileira dos anos 1920 e 1930. In: FARIA FILHO, L. M. de; et al. (Org.). 2.ed. Modos de ler/formas de escrever: estudos de história da leitura e da escrita no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica, 2001. p.87-116

______;ESTEVES, Isabel de Lourdes. Modelos caligráficos concorrentes: as prescrições para a escrita na escola primária paulista (1910-1940). In: PERES, E.; TAMBARA, E.(Orgs). Livros Escolares e ensino da leitura e da escrita no Brasil ( séculos XIX-XX).Pelotas: Publicações Seiva, 2003. p.117-138

______. Culturas escolares: estudo sobre práticas de leitura e escrita na escola pública primária (Brasil e França, final do século XIX). Campinas, SP: Autores Associados, 2005. (Coleção Memória da Educação)

_____. No interior da sala de aula: ensaio sobre cultura e prática escolares. Currículo sem Fronteiras, v.9, n.1, p.25-41, jan./jun. 2009. Disponível em < HTTP://WWW.CURRICULOSEMFRONTEIRAS.ORG.> Acesso em: 09 abr. 2015.

VIÑAO FRAGO, A.; ESCOLANO A. Currículo, espaço e subjetividade: a arquitetura como programa. Tradução de Alfredo Veiga Neto. 2. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2001.




DOI: http://dx.doi.org/10.24934/eef.v22i37.2860

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Gisele Belusso, TERCIANE ANGELA LUCHESE