A importância da qualidade de vida do trabalhador diante das jornadas especiais de trabalho

Autores

  • Pollyanna Souza Diniz Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG) Unidade Cláudio.
  • Wilson Machado Enes UEMG/Campus Cláudio.

Palavras-chave:

Saúde, Jornada de trabalho especial, Trabalhador

Resumo

A Qualidade de Vida no Trabalho tem sido uma preocupação do homem. Está relacionada ao bem-estar, a boa saúde física e mental. Assim o debate sobre o tema saúde nas relações de trabalho merece discussão, tendo em vista que as jornadas de trabalho extraordinárias podem ser prejudiciais à saúde do trabalhador. Este trabalho, portanto, tem como objetivo analisar a questão da qualidade de vida dos trabalhadores que cumprem jornadas diferenciadas tais como as jornadas noturnas e turnos ininterruptos. Para a realização deste estudo adotou-se o método teórico bibliográfico, o método documental, e como o método dedutivo, aprofundando-se e estabelecendo relações com o trabalho em suas diversas formas observando as questões relativas ao problema dos trabalhadores que cumprem jornadas diferenciadas. Ao longo do estudo pode-se constatar que as jornadas diferenciadas, podem interferir na saúde do trabalhador que pode tornar-se sonolento durante o trabalho e, consequentemente reduzir sua capacidade de produzir. Assim, é necessário estar atento as jornadas de trabalho especial, para evitar que o trabalhador tenha qualquer prejuízo e assegurado seus direitos. O tema é relevante porque buscou-se demonstrar que a busca de melhorias nas condições de trabalhos, pode trazer maior qualidade de vida para o empregado

Biografia do Autor

Pollyanna Souza Diniz, Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG) Unidade Cláudio.

MBA em Gestão Pública (em andamento). Pós graduação “Latu Sensu” em Finanças. Docente na Universidade
do Estado de Minas Gerais (UEMG) Unidade Cláudio.

Wilson Machado Enes, UEMG/Campus Cláudio.

Professor Mestre Internacional em Auditoria e Gestão Empresarial (UNINI). Mestre em Administração (UNIP).
Mestrando em Administração (FPL). Coordenador adjunto do Curso de Ciências Contábeis na Universidade do
Estado de Minas Gerais (UEMG) Unidade Cláudio.

Referências

ARAÚJO, Carolina Lobato Goes de. O princípio da proteção do trabalhador no contexto dos direitos fundamentais. Disponível em: ww1.anamatra.org.br/sites/1200/1223/00000360.doc. Acesso em: 15 set. 2013.

BRANDÃO, Cláudio Mascarenhas. Jornada de trabalho e acidente de trabalho: reflexões em torno da prestação de horas extraordinárias como causa de adoecimento no trabalho. Rev. TST, Brasília, 2009.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constitui%C3%A7ao.htm. Acesso em: 25 de set. 2013.

BRASIL. Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região – Minas Gerais. Processo 00372-2008-035-03-00-9 RO. Compensação semanal x banco de horas - acordo individual inválido. Disponível em: Acesso em: 20 set. 2013.

BRASIL. Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região – Minas Gerais. Processo 00068-2006-142-03-00-6 RO. Compensação de jornada - banco de horas - acordo individual – invalidade. Acesso em: 20 nov. 2013.

BRASIL, Tribunal Regional do Trabalho. São Paulo. Processo - 01387200601902009 (01387200601902009) - RO - Ac. 4ªT 20100804874 - Rel. Paulo Sérgio Jakutis - doe 03/09/2010. Disponível em: http://www.sincovaga.com.br/DL/Comunicados/OBSERVA%C3%87%C3%95ES%20SOBRE%20ACORDO%20DE%20COMPENSA%C3%87%C3%83O%20DE%20HORAS%20E%20BANCO%20DE%20HORAS.pdf. Acesso em 20 nov. 2013.

CARRION, Valentim. Comentários à consolidação das leis do trabalho. 32. ed. São Paulo: Saraiva, 2007.

CARVALHO, Saulo Veríssimo Viana de. As horas extras e o banco de horas. 2012. Disponível em: http://www.direitonet.com.br/artigos/exibir/7231/As-horas-extras-e-o-banco-de-horas. Acesso em: 20 out. 2013.

CONCEIÇÃO, Maria da Consolação Vegi. A jornada de trabalho e o ordenamento jurídico brasileiro. Disponível em: http://jus.uol.com.br/revista/texto/7277/a-jornada-de-trabalho-e-o-ordenamento-juridico-brasileiro. Acesso em: 20 out. 2013.

CULTURA BRASILEIRA, 1º de Maio – Dia Mundial do Trabalho. Disponível em: http://www.culturabrasil.org/diadotrabalho.htm. Acesso em: 10 out. 2013.

DELGADO, Mauricio Godinho. Curso de direito do trabalho. 2. ed. São Paulo: LTr, 2005.

FERREIRA, Hádassa Dolores Bonilha. Assédio Moral nas Relações de Trabalho. 1. ed. Campinas: Russell Editores, 2008.

MACHADO, Simone Lopes. Direitos humanos e o trabalho em horas extras. 2010. Disponível em: http://www.congressods.com.br. Acesso em 20 out. 2013.

MARINS, Patrícia Marcon. Assédio moral no trabalho privado. 2010. Disponível em: http://www.ump.edu.br/revista/upload/Assedio.moral.pdf. Acesso em 15 set. 2011.

MARTINS, Sérgio Pinto. Flexibilização das Condições de Trabalho. São Paulo: Atlas, 2004.

MEDEIROS, Elisa Girardi. Análise da Qualidade de Vida no Trabalho: um Estudo de Caso na Área da Construção Civil. Porto Alegre, Universidade Feral do Rio Grande do Sul, 2002.

MEIRELLES. Hely Lopes. Direito Administrativo Brasileiro. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2008.

MORENO, Claudia Roberta de Castro; FISCHER, Frida Marina; ROTENBERG, Lúcia. A saúde do trabalhador na sociedade 24 horas. São Paulo Perspec. Vol.17 no.1 São Paulo Jan./Mar. 2003. Disponível em: http://www.scielo.br. Acesso em: 15 Nov. 2011.

NASCIMENTO, Amauri Mascaro do. Curso de Direito do Trabalho. São Paulo: Saraiva, 2008.

PINHEIRO, Patrícia Peck. PRATTI, Vivian. MARTES, Rogério. Análise dos últimos 10 anos do Direito Digital no Judiciário Brasileiro. II Consolidado de Jurisprudência - Direito Digital. In: Âmbito Jurídico, Rio Grande, 81, 01/10/2010.

Disponível em: http://www.ambito-juridico.com.br. Acesso em: 21 Nov. 2013.

RAMOS, Lauro; REIS, José G. Almeida. Emprego no Brasil nos anos 90. Texto para Discussão, n. 468, IPEA, 1997.

RODRIGUES, Marcus Vinícius Carvalho. Qualidade de Vida no Trabalho. Petrópolis, Editora Vozes, 1995.

SALGADO, Gisele Mascarelli. A Flexibilização Jurídica da Jornada de Trabalho. Universo Jurídico, Juiz de Fora, ano XI, 26 de mar. de 2009.

Disponível em: http://uj.novaprolink.com.br/doutrina/6147/a_flexibilizacao_juridica_da_jornada_de trabalho. Acesso em: 10 out. 2013.

SANTINO, Daniela. Banco de horas e compensação – Como utilizar corretamente, sem riscos. 2011. Disponível em: http://www.correiadasilva.com.br/pdf/art_tra/art_tra_19.pdf Acesso em: 20 Nov. 2013.

SILVA, Edson Braz da. A ilegalidade do sistema de compensação de jornada de trabalho 12x36. Direito Público nº 17 – Jul-Ago-Set/2007.

SMANIOTTO, João Vitor Passuello. Redução da jornada de trabalho como medida ambivalente: viabilizar o Direito Fundamental ao trabalho e oferecer condições para o desenvolvimento do capitalismo. Curitiba: Faculdades Integradas do Brasil, 2010.

SOUTO, Daphnis Ferreira. Saúde no trabalho: uma revolução em andamento. 1. ed. Rio de Janeiro: Ed.Senac Nacional, 2004.

Downloads

Publicado

08/06/2020

Como Citar

Diniz, P. S., & Enes, W. M. (2020). A importância da qualidade de vida do trabalhador diante das jornadas especiais de trabalho. Mediação, (10), 16–42. Recuperado de https://revista.uemg.br/index.php/mediacao/article/view/4317

Edição

Seção

Artigos