Cibercidades e a desigualdade social: a tecnologia digital como ferramenta inclusiva em comunidades periféricas

Autores

  • Ana Paula Alves da Silva Lima UEMG – Escola de Design. apaslima6@gmail.com
  • Viviane Gomes Marçal Departamento/Área - Tecnologias I (IFMG) Departamento de Planejamento e Configuração - DEPC (UEMG)

Resumo

As cidades contemporâneas brasileiras foram conformadas em cenário de exclusão social desde suas formações e as pessoas que possuíam recursos escassos foram isoladas. Estas se viram obrigadas a morar em espaços periféricos com diversos direitos negados e esta situação se mantém até os dias de hoje. Nos últimos anos é notável perceber a ascensão das cibercidades, fenômeno no qual as cidades físicas se integram aos meios digitais, proporcionando o acesso aos equipamentos da cidade - antes exclusivo para as elites. Entretanto, os espaços de periferia são excluídos desse processo e, assim como na construção das cidades, a periferia ainda permanece privada do acesso à inovação. Desta maneira, este artigo tem como intuito discutir a situação de invisibilidade à qual a população das comunidades periféricas é submetida e como a tecnologia pode atenuar o problema da exclusão social observada nesses espaços. Busca-se, também, relacionar as maneiras de atuação do designer de ambientes em espaços mais modestos das cidades a fim de compreender de que forma ocorre a relação produto-usuário. Como resultado da pesquisa, concluímos que é necessário que além de projetos acerca da malha arquitetônica desses espaços, ocorram medidas paliativas que apoiem o cidadão da periferia. Nesse processo, utilizando-se a metodologia do design e o profissional sendo um agente que promove a solução, considerando o problema dos usuários do espaço, é possível oferecer uma solução seja sustentável – economicamente, socialmente e ambientalmente. Por isso, propusemos, e projetamos, um espaço de interação comunitária, um ambiente para proporcionar lazer, difusão de informação e um amparo para o ensino.

Biografia do Autor

Ana Paula Alves da Silva Lima, UEMG – Escola de Design. apaslima6@gmail.com

Designer no Escritório Cleide Amorim Designer de Interiores. Bacharel em Design de Ambientes pela Universidade do Estado de Minas Gerais (2018). Técnico em Edificações pelo Centro Federal de Ensino Tecnológico de Minas Gerais (2013). 

Viviane Gomes Marçal, Departamento/Área - Tecnologias I (IFMG) Departamento de Planejamento e Configuração - DEPC (UEMG)

Doutora em Engenharia Civil pela Universidade Federal de Ouro Preto/UFOP (2016). Mestre em Engenharia Civil pelo Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais/CEFET-MG (2010). Especialista em Educação a Distância pela Universidade Estadual de Montes Claros, UNIMONTES (2013). Especialista em História da Cultura e da Arte pela Universidade Federal de Minas Gerais/UFMG (2006). Graduada em Design de Ambientes (Decoração) pela Universidade do Estado de Minas Gerais/UEMG (2005).

Referências

ALENCAR, Maria da Glória Serra Pinto de. Novas tecnologias de informação e comunicação – TICs versus desigualdades sociais no Brasil: possibilidades e obstáculos para o acesso à informação. In: IV Jornada Internacional De Políticas Públicas, São Luís do Maranhão, 2009.

BASTANI, Kátia Regina; POSSAS, Diana de Castro. Design sistêmico para inovação social: a construção de uma oficina de chá para idoso. Blucher Design Proceedings. Vol. 9. No. 2, 2016, p. 3295-3307.

BAUMAN, Zygmunt. Globalização: as consequências humanas. Rio de Janeiro: Zahar, 1999.

BUENO, Eduardo. Brasil, uma história – A incrível saga de um país. Rio de Janeiro: Ática, 2003.

CARAGLIU, Andrea; BO, Chiara Del; NIJKAMP, Peter. Smart Cities in Europe. Journal of Urban Technology. Vol. 18. No. 2, 2011, p. 65-82.

CAVALCANTE, Zedequias Vieira; SILVA, Mauro Luis Siqueira da. A importância da revolução industrial no mundo da Tecnologia. VII EPCC - Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar. CESUMAR. Paraná. 2011. Disponível em: <http://rgomes.yolasite.com/DOCs.php>. Acesso em: 31 de mai 2018.

COSTA, Carlos Smaniotto.; MENEZES, Marluci. A agregação das tecnologias de informação e comunicação ao espaço público urbano: reflexões em torno do projeto CyberParks – COST TU 1306. Revista Brasileira de Gestão Urbana. No. 8, 2016, p. 332-344.

CUNHA, Érika Jorge Rodrigues da. A natureza do espaço urbano: formação e transformação de territórios na cidade contemporânea. Belo Horizonte, 2008.

DARODA, Raquel Ferreira. As novas tecnologias e o espaço público da cidade contemporânea. Dissertação (Pós-graduação em Planejamento Urbano e Regional), Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2012.

FONTES, Gabriela Scroczynski; GOMES, Icléia Rodrigues de Lima. Cibercidades: as tecnologias de comunicação e a reconfiguração de práticas sociais. Dissertação (Pós-graduação em Estudos de Cultura Contemporânea), Universidade Federal de Mato Grosso, Londrina, 2013.

GERALDO, Luis Gustavo Bueno. A galerias do virtual: O ciberflâneur e a produção artística no ciberespaço. São Paulo, 2009.

GOMES, William Girundi.; RIOS, Igor Goulart Toscano. O designer como hacker do espaço urbano. Blucher Proceedings. Mai 2018. Vol, 4. n.3. Disponível em: <http://www.proceedings.blucher.com.br/article-details/o-designer-como-hacker-do-espao-urbano-28162>. Acesso em: 13 out 2019.

KRUCKEN, Lia. Design e território. Valorização de identidades e produtos locais. São Paulo: Studio Nobel, 2009.

LEMOS, André. Cidade-ciborgue. A cidade na cibercultura. Dissertação (Pós-graduação em Comunicação e Cultura Contemporânea), Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2001.

LEMOS, André. (org.). Cibercidades. As cidades na cibercultura. Rio de Janeiro: e-papers, 2004.

MANZINI, Ezio; MERONI, Anna. Design em transformação. In: KRUCKEN, Lia. Design e Território: valorização de identidade e produtos locais. São Paulo: Studio Nobel, 2009.

MARCATTO, Celso. 2014. Agricultura Sustentável: Conceitos e Princípios. Disponível em: <https://permacoletivo.files.wordpress.com › cartilha-agricultura-sustentavel>. Acesso em 13 out. 2019.

MARICATO, Ermínia. Urbanismo na periferia do mundo globalizado: metrópoles brasileiras. São Paulo em Perspectiva. Vol. 14. No. 4, 2000, p. 21-33.

MARTÍN-BARBERO, Jesús. Globalização comunicacional e transformação cultural. In: Moraes, D. (Org.). Por uma outra comunicação: mídia, mundialização cultural e poder. Rio de Janeiro: Record, 2005, p. 57-86.

SMANIOTTO COSTA, Carlos; SCHMITZ, Rosita Maria. As modernas Tecnologias de Informação e Comunicação e o espaço público: explorando as fronteiras de uma nova relação. Revista de Geografia e Ordenamento do Território, 3, 2013, 197-22.

SOARES, Theska Laila de Freitas et al. A relação entre biomimética e a geodésica de Buckminster Fuller no planejamento de construções sustentáveis. Congresso Luso Brasileiro para o planejamento urbano, regional, integrado e sustentável. Maceió: Pluris. No. 7, 2016.

STICKDORN, Marc. Isto é Design Thinking de Serviços. Porto Alegre: Bookman, 2014.

VAINER, Carlos. et. al. Cidades Rebeldes. Passe Livre e as manifestações que tomaram as ruas do Brasil. Boitempo Editorial, 2013.

VILLAÇA, Flávio. Uma contribuição para a história do planejamento urbano no Brasil. In: DEÁK, Csaba; SCHIFFER, Sueli Ramos. O processo de urbanização no Brasil. São Paulo: EdUSP, 1999, p. 169-243.

Downloads

Publicado

17/09/2020

Como Citar

Lima, A. P. A. da S., & Gomes Marçal, V. (2020). Cibercidades e a desigualdade social: a tecnologia digital como ferramenta inclusiva em comunidades periféricas. REVISTA TRANSVERSO: DIÁLOGOS ENTRE DESIGN, CULTURA E SOCIEDADE, (8). Recuperado de https://revista.uemg.br/index.php/transverso/article/view/4238