AMPLIAÇÃO DA JORNADA ESCOLAR E ADMINISTRAÇÃO DA “QUESTÃO SOCIAL”

Autores

  • Saraa César Mól Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro
  • Ana Luiza Avelar Universidade Federal de Juiz de Fora

Resumo

O artigo tem o objetivo de fazer um debate teórico a partir de fontes primárias e secundárias de pesquisa, sobre a ampliação da jornada escolar, compreendendo-a a partir da dinâmica do capital internacional e a partir da posição dependente do Brasil nesse contexto. Objetivamos compreender a relação da ampliação da jornada escolar no Brasil, nos anos 2000, com a administração da “questão social”, tal como previsto por organismos internacionais no contexto das Políticas de Desenvolvimento do Milênio. Acreditamos que a ampliação da jornada escolar possui, nesse período, uma função social de acobertamento de conflitos de classe, a partir de uma perspectiva de educação que visa conformar as massas para a nova sociabilidade burguesa.

Biografia do Autor

Saraa César Mól, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Pedagoga pela UFV, mestre em Educação pela UFSJ, Doutoranda em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da UNIRIO, imtegrante do Núcleo de Estudos Tempos, Espaços e Educação Integral (NEEPHI)/UNIRIO.

Ana Luiza Avelar, Universidade Federal de Juiz de Fora

Assistente social, mestre em Serviço Social pela UFJF, doutoranda em Serviço Social pelo Programa de Pós-Graduação em Serviço Social da UERJ, professora assistente da Faculdade de Serviço Social da UFJF.

Referências

BRASIL. Lei n. 9394 de 20 de Dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 23 dez. 1996. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm>. Acesso em: 18 ago. 2019.

BRASIL. Decreto n. 6.094 de 24 de abril de 2007. Dispõe sobre a implementação do plano de metas compromisso todos pela educação, pela União Federal, em regime de colaboração com municípios, distrito federal e estados, e a participação das famílias e da comunidade, mediante programas e ações de assistência técnica e financeira, visando a mobilização pela melhoria da qualidade da educação básica. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 25 de abril de 2007a. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007 2010/2007/decreto/d6094.htm>. Acesso em:18 ago. 2019.

BRASIL. Decreto n. 6.253 de 13 de novembro de 2007. Dispõe sobre o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação - FUNDEB, regulamenta a Lei n. 11.494 de 20 de junho de 2007 e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 14 de novembro2007b. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/Decreto/D6253.htm>. Acesso em: 20 ago. 2019.

BRASIL. Lei n. 13.005 de 25 de junho de 2014: Aprova o Plano Nacional de Educação e dá outras providências. Diário oficial da União, Brasília, DF, 25 jun. 2014. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2014/Lei/L13005.htm>. Acesso em> 30 mar. 2019.

BRASIL. Portaria Normativa Interministerial n. 17, de 24 de abril de 2007. Institui o Programa Mais Educação que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades socioeducativas no contraturno escolar. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 26 de abril de 2007d. Disponível em: . Acesso em: 20 abr. 2014

BRASIL. Decreto n. 7.083 de 27 de janeiro de 2010. Dispõe sobre o Programa Mais Educação. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 27 de janeiro de 2010. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/decreto/d7083.htm>. Acesso em: 20 abr. 2019.

BRASIL. Lei n. 10.172 de 09 de janeiro de 2001. Aprova o Plano nacional de Educação e da outras providencias. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 10 de jan. 2001. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/leis_2001/l10172.htm>. Acesso em: 18 ago. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei n. 11.494 de 20 de junho de 2007. Regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação – FUNDEB, de que trata o artigo 60 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias; altera a Lei n. 10.195, de 14 de fevereiro de 2001; revoga dispositivos das Leis n. 9.424, de 24 de dezembro de 1996, 10.880, de 9 de junho de 2004, e 10.845, de 5 de março de 2004; e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 21 jun. 2007c. Disponível em:<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/lei/l11494.htm>. Acesso em: 30 mar. 2019.

CARNOY, M. Estado e teoria política. 4ed. Campinas (SP): Papirus, 1994

CAVALIERE, Ana Maria Villela. Educação integral como “política especial” na educação brasileira. In: COELHO, Lígia Martha Coimbra da Costa (Org.). Educação integral: história, políticas, práticas. Rio de Janeiro: Rovelle, 2013. p. 225-242.

CAVALIERE, Ana Maria Villela. Escolas de tempo integral: uma idéia forte, uma experiência frágil. In: CAVALIERE, Ana Maria Villela; COELHO, Lígia Martha Coimbra da Costa. (Org.). Educação brasileira e(m) tempo integral. Petrópolis: Vozes, 2002.v. 1, p. 93-111.

CAVALIERE, Ana Maria Villela. Escolas de tempo integral versus alunos em tempo integral. Em Aberto, Brasília, v. 21, n. 80, p. 51-63, 2009. Disponível em: <http://rbep.inep.gov.br/index.php/emaberto/article/view/1470/1219>. Acesso em: 19 mai. 2019.

COELHO, Lígia Martha Coimbra da Costa. Integração escola-território: “saúde” ou “doença” das instituições escolares? In: MAURÍCIO, Lucia Velloso Mauricio (Org.). Tempos e espaços escolares. Experiências, políticas e debates no Brasil e no mundo. Rio de Janeiro: Ponteio; FAPERJ, 2014.v. 1, p. 181-198.

GRAMSCI, Antonio. V.3. Maquiavel, Notas sobre o Estado e a política. Edição e

tradução Carlos Nelson Coutinho; co-edição, Luiz Sérgio Henriques e Marco Aurélio Nogueira. Rio de Janeiro/RJ:Civilização Brasileira, 2000.

IAMAMOTO, M. V. Projeto Profissional, Espaços Ocupacionais e Trabalho do Assistente Social na Atualidade. In: CFESS. Atribuições Privativas do (a) Assistente Social em Questão. Brasília:CFESS, 2002.

____________. O Serviço Social na Contemporaneidade: trabalho e formação profissional. 5ª Edição. São Paulo: Cortez, 2006.

LIMA, K. R. Sç MARTINS, A. S.; A Nova Pedagogia da Hegemonia: Pressupostos, Princípcios e Estratégias. In: Lúcia Maria Wanderley Neves. (Org.). A Nova Pedagogia da Hegemonia: Estratégias do Capital para Educar o Consenso. 1ed.SÃO PAULO: XAMÃ, 2005, v. 1, p. 43-68

MOTTA, Vania. Ideologia do capital social: atribuindo uma face mais humana ao capital. 1. ed. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2012. v. 1. 310p .

NETTO, J. P. Cinco notas a propósito da “questão social”. Temporalis. ABEPSS, Brasília, 2001, n. 3, pp. 41-45. Janeiro/Junho 2001.

NEVES, L. M. W.; SANTANNA, R. S. . Introdução: Gramsci, o Estado educador e a nova pedagogia da hegemonia. In: NEVES, Lúcia Maria Wanderley. (Org.). A sociedade civil como espaço estratégico de difusão da nova pedagogia da hegemonia. 1ed.São Paulo: Xamã Editora e Gráfica Ltda., 2005, v. 1, p. 19-39.

PASTORINI, A. A categoria “questão social” em debate. São Paulo: Cortez, 2004.

SAVIANI, Demerval. PDE - Plano de Desenvolvimento da Educação. Campinas: Autores Associados, 2009. v. 1. 110p.

SILVA, Bruno Adriano Rodrigues. A Concepção Empresarial da Educação Integral e(m) Tempo Integral. Educação e Realidade Edição eletrônica, v. 43, p. 1613-1632, 2018. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/edreal/v43n4/2175-6236-edreal-2175-623676399.pdf>. Acesso em: 31 ago. 2019.

Publicado

15/02/2021

Como Citar

Mól, S. C., & Avelar, A. L. (2021). AMPLIAÇÃO DA JORNADA ESCOLAR E ADMINISTRAÇÃO DA “QUESTÃO SOCIAL”. Serviço Social Em Debate, 2(2). Recuperado de https://revista.uemg.br/index.php/serv-soc-debate/article/view/3929

Edição

Seção

Artigos