Coletivo geral infâncias: sobre encontros, trocas e direitos das crianças

Autores

  • Aline Regina Gomes
  • Tulio Campos
  • Larissa Maria Santos Altemar

Resumo

Este artigo traz como centralidade a constituição de um grupo, denominado “Coletivo Geral Infâncias”, como movimento de construção de saberes sobre as infâncias de Belo Horizonte. Por meio da iniciativa, percebe-se que a existência do grupo permite aos participantes ressignificarem suas relações sociais com as crianças, tanto em contextos pessoais quanto profissionais. O texto está organizado em três momentos, iniciando-se com reflexões sobre a conquista de direitos no Brasil, seguido de comentários sobre a produção de conhecimento nos Estudos da Infância, na relação com a afirmação de tais direitos. Por fim, analisamos o processo de criação, organização, propostas e representatividade do Coletivo na cidade. Concebido como um organismo de resistência e atuação conjunta, o Coletivo auxilia a criação de redes colaborativas, na busca pela garantia de direitos e proteção das crianças.

Biografia do Autor

Aline Regina Gomes

Professora de Educação Física da Rede Municipal de Ensino de Belo Horizonte (PBH) e Professora do Centro Universitário de Sete Lagoas (UNIFEMM - Sete Lagoas). Doutora em Educação pela Faculdade de Educação/ UFMG (2019).  

Tulio Campos

Professor de Educação Física da Escola de Educação Básica e Profissional da UFMG - Centro Pedagógico. Doutor em Educação pela Faculdade de Educação da UFMG (2019). Universidade Federal de Minas Gerais. Pampulha. 31.270-901. Telefone (31) 34095463. 

Larissa Maria Santos Altemar

 Pedagoga (Claretiano) e Licenciada em Teatro (UFMG) Mestre em educação pela Faculdade de Educação da UFMG (2018).  Assistente Pedagógica no Memorial Minas Gerais Vale (MMGV).

Referências

AUTOR. Teatralidades no espaço escolar: uma investigação com crianças da educação infantil. UFMG, 2018. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2018. Disponível em: https://repositorio.ufmg.br/handle/1843/BUOS-AZXL7Y. Acesso em 29 jun. 2020.

ARAÚJO, V. C. de. A cidade como espaço público de educação e de afirmação da cidadania. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação, v. 27, p. 135-148, 2011.

ARROYO, M. G; SILVA, M. R. S. Corpo infância: exercícios tensos de ser criança por outras pedagogias dos corpos. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2012. 373 p.

BRASIL. Constituição Federal de 1988. Disponível em:http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm . Acesso em: 5 maio 2020.

BRASIL. Estatuto da Criança e do Adolescente. Lei Federal nº 8069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente, e dá outras providências. Brasília: Diário Oficial da União de 16 de julho de 1990. Disponível em:http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm . Acesso em: 16 mar. 2020.

BRASIL. Lei Federal n. 9394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília: Diário Oficial da União de 23 de dezembro de 1996. Disponível em:http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9394.htm . Acesso em: 16 mar. 2020.

BRASIL. Marco Legal da Primeira Infância. Lei Federal n. 13257, de 08 de março de 2016. Brasília: Diário Oficial da União, de 09 de março de 2016. Disponível em:http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2016/Lei/L13257.htm. Acesso em: 16 mar. 2020.

AUTOR. A Escola e a Cidade: experiências de crianças e adultos em excursões na Educação Infantil. UFMG, 2019. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2019. Disponível em: http://hdl.handle.net/1843/32669 . Acesso em 22 jun. 2020.

CASTRO, L. R. Da invisibilidade à ação: crianças e jovens na construção da cultura. In: CASTRO, L. R (Org.) Crianças e jovens na construção da cultura. Rio de Janeiro: NAU/FAPERJ, 2001, p. 19-46.

COSTA, M. C. O.; BRIGAS, M. Mecanismos pessoais e coletivos de proteção e promoção da qualidade de vida para a infância e adolescência. Ciência & Saúde Coletiva, v. 12, n. 5, p. 1101-1109, 2007. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/csc/v12n5/02.pdf Acesso em 29 mar. 2020.

ESCOSSIA, L. KASTRUP, V. O conceito de coletivo como superação da dicotomia indivíduo-sociedade. Psicologia em Estudo, v. 10, n. 2, p. 295-304, 2005. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/pe/v10n2/v10n2a17.pdf Acesso em 20 jun 2020.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 8. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1980.

AUTOR. Infância e relações de cuidado em uma escola pública de tempo integral. Belo Horizonte: UFMG, 2019. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2019. Disponível em: http://hdl.handle.net/1843/32683 Acesso em 17 mar. 2020.

GOUVÊA, M. C. S. Infantia: entre a alteridade e a anterioridade. Educação e Realidade, v. 36, p. 123-154, 2011. Disponível em: http://seer.ufrgs.br/index.php/educacaoerealidade/article/view%20/11394/12926. Acesso em: 20junho. 2020.

KRAMER, Sônia. Crianças e adultos em diferentes contextos - Desafios de um percurso de pesquisa sobre infância, cultura e formação. In: SARMENTO, Manuel; GOUVÊA, Maria Cristina Soares de. (Orgs.). Estudos da infância: educação e práticas sociais. Petrópolis: Vozes, 2008, v. 1, p. 163-189.

MARCHI, Rita de Cassia. Pesquisa Etnográfica com Crianças: participação, voz e ética. Educ. Real, Porto Alegre, v. 43, n. 2, p. 727-746, jun. 2018.

MARCHI, Rita de Cássia and SARMENTO, Manuel Jacinto. L'enfance, la normativité et les

droits de l'enfant: des transitions contemporaines. Educação & Sociedade. 2017, vol. 38, n. 141,pp. 951-964.

MERLEAU-PONTY. Fenomenologia da Percepção. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

MIGLIORIN, C. O que é um coletivo? In: BRASIL, A. (Org.). Teia - 2002/2012. 1ed. Belo Horizonte: Teia, v. 1, p. 307-316, 2012.

ONU. ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Resolução L. 44 (XLIV), de 20 de novembro de 1989. Aprovada pelo Decreto Legislativo nº 28, de 24.09.1990. Ratificada pelo Brasil em 24.09.1990. Entrou em vigor no Brasil em 23.10.1990. Promulgada pelo Decreto nº 99.710, de 21.11.1990. Disponível em https://www2.camara.leg.br/atividade-legislativa/comissoes/comissoes-permanentes/cdhm/comite-brasileiro-de-direitos-humanos-e-politica-externa/ConvDirCrian.html#:~:text=Direitos%20da%20Crian%C3%A7a-,Conven%C3%A7%C3%A3o%20sobre%20os%20Direitos%20da%20Crian%C3%A7a,28%2C%20de%2024.09.1990. Acesso em 30 jun 2020.

PINTO, Manuel; SARMENTO, Manuel Jacinto. As crianças e a infância – definindo conceitos, delimitando o campo. In: PINTO, Manuel; SARMENTO, Manuel Jacinto. (Orgs.). As crianças: contextos e identidades. Centro de Estudos da Criança – Universidade do Minho. Portugal: Bezerra, 1997. (Coleção Infans).

PNAD, 2015. Pesquisa Nacional por amostra de domicílios. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/populacao/9127-pesquisa-nacional-por-amostra-de-domicilios.html?=&t=o-que-e. Acesso em 27 de maio de 2020.

RIZZINI, I.; PILOTTI, F. (Orgs.) A arte de governar crianças: a história das políticas sociais, da legislação e da assistência à infância no Brasil. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2011. 335p.

ROSEMBERG, F.; MARIANO, C.L.S. A Convenção Internacional sobre os Direitos das Crianças: debates e tensões. Cadernos de Pesquisa, v. 40, n. 141, p. 693-728, 2010.

SARMENTO, Manuel. GOUVÊA, Maria Cristina Soares de. Apresentação: olhares sobre a infância e a criança.In: SARMENTO, Manuel. GOUVÊA, Maria Cristina Soares de. Estudos da infância: educação e práticas sociais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

SARMENTO, Manuel Jacinto. Sociologia da Infância: correntes e confluências.In: SARMENTO, Manuel Jacinto; GOUVÊA, Maria Cristina S. (Orgs.). Estudos da infância: educação e práticas sociais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

SARMENTO, Manuel Jacinto. As culturas da infância nas encruzilhadas da 2ª modernidade. In: SARMENTO, M. J; CERISARA, A. B. (Orgs.). Crianças e miúdos: perspectivas sócio-pedagógicas da infância e educação. Porto: Asa, 2004. p. 9-34.

SIROTA, Régine. Emergência de uma sociologia da infância: evolução do objeto e do olhar. Cadernos de pesquisa, São Paulo, n. 112, p. 7-31, mar., 2001.

SPYROU, Spyous. Disclosing Childhoods StudiesIn: Childhood and Youth. London: Palgrave Macmillan, 2018.

Downloads

Publicado

31/03/2021

Como Citar

Gomes, A. R., Campos, T., & Altemar, L. M. S. (2021). Coletivo geral infâncias: sobre encontros, trocas e direitos das crianças. Serviço Social Em Debate, 3(1). Recuperado de https://revista.uemg.br/index.php/serv-soc-debate/article/view/4893

Edição

Seção

Artigos Temáticos