Crise, pandemia e educação não-violenta: reflexões sobre direitos de crianças e adolescentes

Autores

  • Marcia Cristina Machado de Oliveira Universidade Federal Fluminense - UFF
  • Rodrigo Silva Lima Universidade Federal Fluminense (UFF)

Resumo

O texto tem o objetivo de abordar, numa perspectiva de totalidade, a mobilização social pela educação não violenta no contexto de crise do capital, de pandemia do COVID-19 e de trinta anos do Estatuto da Criança e do Adolescente. Diante do aumento da violência contra crianças e adolescentes, nos últimos anos, verifica-se que esse fenômeno pode ser acirrado com as ações de prevenção à pandemia, como o distanciamento social, revelando contradições acerca da dimensão protetiva nas relações familiares. Por fim, são apresentados resultados de pesquisas acadêmicas sobre a atualização dos marcos legais e estratégias para o estabelecimento de uma educação não violenta no desenvolvimento integral de crianças e adolescentes.

Biografia do Autor

Marcia Cristina Machado de Oliveira, Universidade Federal Fluminense - UFF

Marcia Cristina Machado de Oliveira. Integrante do Núcleo de Extensão e Pesquisa em Direitos Humanos, Infância, Juventude e Serviço Social (NUDISS) da Universidade Federal Fluminense (UFF).

Bacharel em Serviço Social pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Atua na área de direitos humanos de crianças e adolescentes há mais de 27 anos, coordena a Rede Não Bata, Eduque, tem especialização em "Mecanismos nacionais e internacionais de proteção" pela Universidad Nacional Mayor de San Marcos (UNMSM), em Lima, Peru. E-mail: marcia.oliveira1502@gmail.com.br ; https://orcid.org/0000-0002-0791-5604

Rodrigo Silva Lima, Universidade Federal Fluminense (UFF)

Rodrigo Silva Lima. Universidade Federal Fluminense (UFF).

Docente da Escola de Serviço Social da Universidade Federal Fluminense (ESS/UFF). Professor do Programa de Pós Graduação em Serviço Social e Desenvolvimento Regional (PPGSSDR) e do Curso de Graduação em Serviço Social (ESS/UFF). Coordenador do Núcleo de Extensão e Pesquisa em Direitos Humanos, Infância e Juventude (NUDISS/UFF). Coordenador do GTP da ABEPSS. E-mail: rodrigorrod@hotmail.com

Referências

ABDALA, Vitor. IBGE: taxa de desemprego de jovens atinge 27,1% no primeiro trimestre. AGÊNCIA BRASIL, em 15 de maio de 2020. Disponível em <https://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2020-05/ibge-taxa-de-desemprego-de-jovens-atinge-271-no-primeiro-trimestre>. Acesso em 20 jun. 2020.

ASSIS, Jussara F.de. Intercessionalidade, racismo institucional e direitos humanos: compreensões à violência obstétrica. Serv. Soc. Soc., São Paulo, n.133, p. 547-565, set-dez.2018.

BRASIL. Constituição Federal. 1988.

______. Lei 8.069/1990, de 13 de julho de 1990. Estatuto da Criança e do Adolescente.

______. Lei 8.742/1993, de 7 de dezembro de 1993. Lei Orgânica da Assistência Social.

______. Lei 13.010/2014, de 26 de junho de 2014. Estabelece direito da criança e do adolescente de serem educados e cuidados sem o uso de castigos físicos ou de tratamento cruel ou degradante.

______. Lei 13.275/2016, de 8 de março de 2016. Dispõe sobre as políticas públicas para a primeira infância.

______. Ministério de Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Secretaria Nacional de Assistência Social (SNAS). Caderno de Orientações. Serviço de Proteção e Atendimento Integral à Família e Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos. Articulação necessária na Proteção Social Básica. Brasília, 2016.

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Área de Saúde do Adolescente e do Jovem. Marco legal: saúde, um direito de adolescentes / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Área de Saúde do Adolescente e do Jovem. – Brasília: Ministério da Saúde, 2005.

______. Ministério da Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Ouvidoria Nacional dos Direitos Humanos, Disque Direitos Humanos – Relatório 2019. Disponível em: <https://www.gov.br/mdh/pt-br/assuntos/noticias/2020-2/junho/balanco-anual-disque-100-atendeu-2-7-milhoes-de-ligacoes-em-2019/copy_of_Relatorio_Disque_100_final.pdf>. Acesso em 8 jun. 2020.

______. Política Nacional de Assistência Social/ PNAS. Brasília - DF. 2004

______. Promulga a Convenção sobre os Direitos da Criança. Decreto 99.710, de 21 de novembro de 1990.

______. Secretaria de Direitos Humanos. Direitos humanos de crianças e adolescentes – 20 anos do Estatuto – Brasília, D.F.: Secretaria de Direitos Humanos, 2010.

BEZERRA, Jaerson L. PEREIRA JÚNIOR, Almir; HERINGER, Rosana (Org.). Os impasses da cidadania: a infância e adolescência no Brasil. Rio de Janeiro: IBASE,1992.

CHESNAIS, François. Capitalismo de fim de século. In: COGGIOLA, Osvaldo (Org.) Globalização e socialismo (Coleção Fora de Ordem). São Paulo: Xamã, 1997.

DEMIER, Felipe A. Depois do vírus: onde você vai estar quando isso passar? Revista Libertas, Universidade Federal de Juiz de Fora, 2020.

DOLAN, Kerry. A. Os 25 maiores bilionários do mundo em 2020. FORBES, em 07 de abril de 2020. Disponível em <https://forbes.com.br/listas/2020/04/os-25-maiores-bilionarios-do-mundo-em-2020/#foto25>. Acesso em 25 mai. 2020.

ELPÍDIO, Maria Helena. Em um mundo que nos asfixia, é hora de retirar a máscara do racismo para voltarmos a respirar. MEDIUM, em 02 de junho de 2020. Disponível em https://medium.com/@interfaces.ufes/em-um-mundo-que-nos-asfixia-%C3%A9-hora-de-retirar-a-m%C3%A1scara-do-racismo-para-voltarmos-a-respirar-c05841a48989. Acesso em 03 jun. 2020.

FRANCO, Nádia. Brasil registra diariamente 233 agressões a crianças e adolescentes. AGÊNCIA BRASIL, em 19 de dezembro de 2019. Disponível em <https://agenciabrasil.ebc.com.br/direitos-humanos/noticia/2019-12/brasil-registra-diariamente-233-agressoes-criancas-e-adolescentes>. Acesso 25 mai. 2020.

FRIGOTTO, Gaudêncio. Direitos humanos, democracia, e educação na contemporaneidade. In: FREIRE, Silene de M. (Org.). Direitos Humanos e Questão Social Rio de Janeiro: Gramma, 2009.

GARCIA, Joana. Experiência com crianças na quarentena. In: MOREIRA, Elaine. GOUVEIA, Rachel et al (Org.). Em tempos de pandemia: propostas para defesa da vida e de direitos sociais. Rio de Janeiro, UFRJ, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Escola de Serviço Social, 2020.

LABOISSIÈRE, Paula. A cada 60 minutos uma criança ou adolescente morre por arma de fogo, AGÊNCIA BRASIL, em 20 de março de 2019. Disponível em <https://agenciabrasil.ebc.com.br/saude/noticia/2019-03/cada-60-minutos-uma-crianca-ou-adolescente-morre-por-arma-de-fogo>. Acesso em 25 mai. 2020.

MARQUES, Emanuele S. MORAES, Cláudia L. HASSELMANN, Maria Helena; DESLANDES, Suely F. REICHENHEIM, Michael E. A violência contra mulheres, crianças e adolescentes em tempo de pandemia pela COVID-19: panorama, motivações e formas de enfrentamento. Cad. Saúde Pública vol.36 no.4. Rio de Janeiro 2020 Epub Apr 30, 2020. Disponível em: <https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2020000400505>. Acesso em 28 jun.2020.

MASTROPAOLO, Josefina. Mulheres, espaço doméstico e soberania alimentar: perguntas que a pandemia precipita. Em tempos de pandemia: propostas para defesa da vida e de direitos sociais. Rio de Janeiro, UFRJ, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Escola de Serviço Social, 2020.

MAURIEL, Ana Paula. Estado e expropriações no capitalismo dependente. In: BOSCHETTI, Ivanete (Org.). Expropriação de direitos no capitalismo. São Paulo: cortez, 2018.

NETTO, José Paulo. Crise do socialismo e ofensiva neoliberal. Coleção Questões da Nossa Época, n. 20. São Paulo: Cortez, 1995.

______. BRAZ, Marcelo. As crises e as contradições do capitalismo. In: Economia política: uma introdução crítica. Biblioteca Básica do Serviço Social. São Paulo: Cortez, 2007.

PILOTTI, Francisco. RIZZINI, Irene (Org.). A arte de governar crianças: a história das políticas sociais, da legislação e da assistência à infância no Brasil. Rio de Janeiro: Instituto Interamericano Del Niño, Amais livraria e editora, 1995.

REIS, Elisa M. et al (Org.). 30 anos da Convenção sobre os Direitos da Criança: avanços e desafios para meninas e meninos no Brasil / Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF). São Paulo: UNICEF, 2019.

ROCHA, Camilo, Os estudos que mostram o impacto positivo do isolamento social. NEXO, em 22 de abril de 2020. Disponível em https://www.nexojornal.com.br/expresso/2020/04/21/Os-estudos-que-mostram-o-impacto-positivo-do-isolamento-social. Acesso em 24/05/2020. Acesso em 25 mai. 2020.

SAFFIOTI, Heleieth. Gênero, Patriarcado violência. São Paulo: Expressão Popular: Fundação Perseu Abramo, 2015.

SALVADOR, Evilásio. Fundo público e políticas sociais na crise do capitalismo. Revista Serviço Social e Sociedade, n.104. São Paulo: Cortez, 2010.

SILVA, Giselle S. Dívida pública e política social no governo Lula: fundo público sob o jugo do capital portador de juros. Revista Ser Social, v.13, n.° 28. Universidade de Brasília, 2011.

WORLD BANK. Global Economic Perspectives. International Bank for Reconstruction and Development / World Bank, 2020.

Downloads

Publicado

31/03/2021

Como Citar

Oliveira, M. C. M. de, & Lima, R. S. (2021). Crise, pandemia e educação não-violenta: reflexões sobre direitos de crianças e adolescentes. Serviço Social Em Debate, 3(1). Recuperado de https://revista.uemg.br/index.php/serv-soc-debate/article/view/4903

Edição

Seção

Artigos Temáticos