História, legislação educacional e o ensino do design no Brasil:

dos currículos mínimos às diretrizes curriculares nacionais

Autores

  • Deborah Camila Viana Cardoso Universidade do Estado de Minas Gerais - UEMG
  • Cláudia Fátima Campos Universidade do Estado de Minas Gerais
  • Edson José Carpintero Rezende Universidade do Estado de Minas Gerais

Palavras-chave:

Legislação educacional, Ensino em design, Currículos Mínimos de design, Diretrizes Curriculares Nacionais, Lei de Diretrizes e Bases

Resumo

O ensino do design no Brasil, desde sua institucionalização, na década de 1950, até os dias atuais, esteve diretamente ligado à legislação que orienta o ensino superior no país. Esse artigo tem o objetivo de realizar um estudo aprofundado sobre essa relação entre ensino do design e legislação educacional brasileira e identificar os impactos que isso provocou ao longo do tempo em ambos. A metodologia utilizada é a da revisão narrativa da literatura, associada à hermenêutica, quando buscou-se, na literatura científica e na legislação pura, bases para as inferências realizadas. Concluiu-se que a implantação das diretrizes curriculares nacionais foram essenciais para que o ensino desse ramo do saber pudesse ser construído com a autonomia com que se conhece hoje.

Biografia do Autor

Deborah Camila Viana Cardoso, Universidade do Estado de Minas Gerais - UEMG

É mestre em design (2018-2020) e graduada em Design de Ambientes (2014-2017) pela Universidade do Estado de Minas Gerais - UEMG . Possui também graduação em Direito pela Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG (2010). É especialista em História da Arte pelo Centro Universitário Claretiano (2018). Possui formação técnica em Química Industrial pelo Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais - CEFET-MG (2004). É designer de ambientes autônoma e conta com 15 anos de experiência na área de Petróleo e Gás (PETROBRAS), sobretudo na sub-área de refino e processamento de derivados, com ênfase em tratamento de combustíveis, geração de hidrogênio e tratamento de efluentes hídricos.

Cláudia Fátima Campos, Universidade do Estado de Minas Gerais

Possui graduação em Design de Ambientes pela Universidade do Estado de Minas Gerais (2006), Especialização em Design de Móveis pela Universidade do Estado de Minas Gerais (2009), Mestrado em Ambiente Construído e Patrimônio Sustentável pela Universidade Federal de Minas Gerais (2011) e Doutorado em Design pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2018). Atualmente é consultora da Associação Brasileira de Empresas de Design, sócia - Elementos Design de Ambientes, professora do Centro Universitário UNA, coordenadora do curso de design de ambientes da Universidade do Estado de Minas Gerais 2012-2019, professor titular da Universidade do Estado de Minas Gerais. Pesquisadora atuando principalmente nos seguintes temáticas: design e sociedade, design e envelhecimento e design e moda. Atua profissionalmente nas temáticas: projetos de design para ambiências e gestão do design.

Edson José Carpintero Rezende, Universidade do Estado de Minas Gerais

Possui graduação em Odontologia pela UFMG (1990), licenciatura em Ciências pela PUC-MG (1986), pós-graduação "Latu sensu" em Microbiologia pela PUC-MG (1988), pós-graduação "Latu sensu" em Odontologia Legal pela Associação Brasileira de Odontologia (2003), mestrado em Saúde Coletiva pela UEFS (2006), doutorado em Ciências da Saúde pela Faculdade de Medicina da UFMG (2011) e Pós-doutorado em Lazer pela Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional da UFMG. Atualmente é professor efetivo de Metodologia Científica e pesquisador nos cursos de graduação e pós-graduação Latu Sensu e Stricto Sensu na Escola de Design da Universidade do Estado de Minas Gerais. É líder do grupo de pesquisa "Design em interface com a saúde" e professor pesquisador do grupo extensionista e de pesquisa em Design Social, ambos cadastrados no CNPq.

Referências

BOMFIM, Gustavo Amarante. Pósfácio. Rio de Janeiro, 2004. In.: COUTO, Rita Maria de Souza. Escritos sobre design no Brasil. Rio de Janeiro: Rio Book’s, 2008, 96p.

BRASIL. [Constituição (1967)]. Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 24 de janeiro de 1967. Brasília, DF: Presidência da República, [1967]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao67.htm. Acesso em: 02 fev. 2019.

BRASIL. [Constituição (1969)]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1967: redação dada pela Emenda Constitucional nº 1 de 17 de outubro de 1969. Brasília, DF: Congresso Nacional, [1969]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao67EMC69.htm. Acesso em 02 fev. 2019.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, [1988]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm. Acesso em: 02 fev. 2019.

BRASIL. Lei nº 4.024, de 27 de dezembro de 1961. Fixa as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília: Congresso Nacional, [1961]. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1960-1969/lei-4024-20-dezembro-1961-353722-publicacaooriginal-1-pl.html. Acesso em: 02 fev. 2019.

BRASIL. Lei nº 5.540, de 28 de novembro de 1968. Fixa normas de organização e funcionamento do ensino superior e sua articulação com a escola média, e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República, [1968]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L5540.htm. Acesso em: 09 jan. 2020.

BRASIL. Lei nº 5.692, de 11 de agosto de 1971. Fixa diretrizes e bases para o ensino de 1º e 2º graus, e dá outras providências. Brasília, DF: Congresso Nacional, [1971]. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1970-1979/lei-5692-11-agosto-1971-357752-publicacaooriginal-1-pl.html. Acesso em: 02 fev. 2019.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF: Presidência da República, [1996]. Disponível em: https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/70320/65.pdf. Acesso em: 31 mar. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE nº 776/1997. Orienta para as diretrizes curriculares dos cursos de graduação. Brasília, DF: 1997. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/setec/arquivos/pdf_legislacao/superior/legisla_superior_parecer77697.pdf . Acesso em: 05 fev. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Edital n° 4/97. Convoca as instituições de ensino superior a apresentar propostas para as novas diretrizes curriculares dos cursos superiores. Brasília, DF: Secretaria de Educação Superior, [1997a]. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/sesu/arquivos/pdf/e04.pdf. Acesso em: 05 fev. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Parecer nº CNE/CES 583/2001. Orientação para as diretrizes curriculares dos cursos de graduação. Brasília, DF: Conselho Nacional de Educação, [2001]. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES0583.pdf. Acesso em: 06 fev. 2018.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP 3, de 18 de dezembro de 2002. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a organização e o funcionamento dos cursos superiores em tecnologia. Brasília, DF: Conselho Nacional de Educação, [2002]. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CP032002.pdf. Acesso em: 01 dez. 2020.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CP 29/2002, de 03 de dezembro de 2002. Assunto: Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Profissional de Nível Tecnológico. Brasília, DF: Conselho Nacional de Educação, [2002a]. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/cp29.pdf. Acesso em 02 fev. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Parecer nº CNE/CES 67/2003. Referencial para as diretrizes curriculares nacionais – DCN dos cursos de graduação. Brasília, DF: Conselho Nacional de Educação, [2003]. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES0583.pdf. Acesso em: 06 fev. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Parecer nº CNE/CES 195/2003. Diretrizes curriculares nacionais dos cursos de graduação em música, dança, teatro e design. Brasília, DF: Conselho Nacional de Educação, [2003a]. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/2003/pces195_03.pdf. Acesso em: 06 fev. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Resolução nº 5, de 8 de março de 2004. Aprova as diretrizes curriculares nacionais do curso de graduação em design e dá outras providências. Brasília, DF: Conselho Nacional de Educação, [2004]. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rces05_04.pdf. Acesso em: 06 fev. 2018.

BRASIL. Decreto nº 5.154 de 23 de julho de 2004. Regulamenta o § 2º do art. 36 e os arts. 39 a 41 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República, [2004a]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/decreto/d5154.htm. Acesso em: 01 fev. 2020.

BRASIL. Lei n° 13.369, de 12 de dezembro de 2016. Dispõe sobre a garantia do exercício da profissão de designer de interiores e ambientes e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República, [2016]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2016/lei/L13369.htm. Acesso em: 10 de set. de 2019.

BRAGA, Marcos da Costa. ABDI e APDINS-RJ. 2. ed. São Paulo: Blucher, 2016, 351p. Disponível em: https://docplayer.com.br/44647625-Abdi-e-apdins-rj-marcos-braga-braga-abdi-e-apdins-rj.html. Acesso em: 10 fev. 2019.

CARA, Milene Soares. Do desenho industrial ao design no Brasil: uma bibliografia crítica para a disciplina. São Paulo: Bluscher, 2010, 97p. (Coleção Pensando o design).

FERREIRA, Eduardo Camillo Kasparevicis. Os currículos mínimos de desenho industrial de 1969 e 1987: origens, constituição, história e diálogo no campo do design. 2018. Dissertação (Mestrado em Design) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo - Universidade de São Paulo - USP. São Paulo, 2018, 162p. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/16/16140/tde-24092018-101650/pt-br.php. Acesso em: 10 fev. 2019.

FORGRAD – FÓRUM DE PRÓ-REITORES DE GRADUAÇÃO DAS UNIVERSIDADES BRASILEIRAS. Plano Nacional de Graduação: um projeto em construção. Ilhéus, 1999. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/sesu/arquivos/pdf/png.pdf. Acesso em: 05 fev. 2019.

FORGRAD – FÓRUM DE PRÓ-REITORES DE GRADUAÇÃO DAS UNIVERSIDADES BRASILEIRAS. Diretrizes curriculares para os cursos de graduação. Brasília, 2000. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/sesu/arquivos/pdf/DocDiretoria.pdf. Acesso em: 05 fev. 2019.

OZANAN, Luiz Henrique. O curso de design em Minas Gerais: da FUMA à Escola de Design. 2005. 117f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade do Vale do Rio Verde – UninCor, 2005.

SILVA, José Afonso da. Direito Constitucional Positivo. 27. ed. São Paulo: Malheiros Editores Ltda, 2006, 928p.

Downloads

Publicado

02/06/2022

Como Citar

Cardoso, D. C. V., Campos, C. F., & Carpintero Rezende, E. J. (2022). História, legislação educacional e o ensino do design no Brasil:: dos currículos mínimos às diretrizes curriculares nacionais. Transverso, (11), 77–94. Recuperado de https://revista.uemg.br/index.php/transverso/article/view/5605

Edição

Seção

Artigos