Da margem ao centro: a visibilidade das crianças sul americanas nos estudos da infância

Autores

Palavras-chave:

Estudos sociais da infância; América do Sul; Infância; Crianças à margem; Visibilidade da infância.

Resumo

O presente artigo apresenta indicativos sobre a visibilidade da infância nas pesquisas da América dos Sul, em diálogo com o campo dos estudos sociais da infância, a partir da análise de produções científicas em países hispano-falantes do continente. Desde finais da década de 80 esforços vem sendo realizados para trazer as crianças e a infância ao centro de diversos campos disciplinares que compartilham as premissas de um novo paradigma. Destaca-se que as investigações tem se ocupado das crianças socialmente excluídas, apresentado discussões relacionadas aos cenários locais e as características que configuram a pluralidade da infância nos países sul-americanos. As publicações indicam que os estudos sociais da infância além de contribuir com o campo científico, colaboram para intervenções sociais e políticas que visam garantir os direitos das crianças.

Biografia do Autor

Monique Aparecida Voltarelli, UnB

Monique Aparecida Voltarelli, Universidade de Brasília. Doutora em Educação pela Universidade de São Paulo. Pesquisadora do Grupo de Estudos e Pesquisa sobre Sociologia da Infância e Educação Infantil (GEPSI/ FEUSP). Professora Adjunta da Faculdade de Educação e do Programa de Pós Graduação em Educação Modalidade Profissional da Universidade de Brasília (UnB). E-mail: moniquevoltarelli@yahoo.com.br. ORCID:  https://orcid.org/0000-0003-2605-0930

 

  

Referências

ALANEN, L. Childhood as a Generational Condition: Children’s Daily lives in a Central Finland Town. In: ALANEN, L.; MAYALL, B. (eds) Conceptualizing Child-adult Relations. London: Falmer Press, p.129–143, 2001.

ALANEN, L. Da invisibilidade à ação: crianças e jovens na construção da cultura. In: CASTRO, L. R(Org.) Crianças e jovens na construção da cultura. Rio de Janeiro: NAU, p.19-46, 2001a.

AMES, P. Niños y niñas andinos en el Perú: crecer en un mundo de relaciones y responsabilidades. BULLETIN de l’Institut Français d’Études Andines, Tome v.42, n. 3, Lima- Perú, p. 389- 410, 2013.

AMES, P.; ROJAS, V. Infancia, transiciones y bienestar en Perú: una revisión bibliográfica. Lima: GRADE; Niños del Milenio, 2010.

ANDRADE, L.B.P. De. Direitos da infância: a tutela e proteção à cidadania e educação. In: ANDRADE, L.B.P. De. Educação Infantil. Discurso, legislação e práticas institucionais. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010.

ARANTES, E. M. M. de. Direitos da criança e do adolescente: um debate necessário. Psicologia Clínica, Rio de Janeiro, v. 24, n. 1, p. 45 – 56, 2012.

ARIÈS, P. A história social da criança e da família (2a ed.). Rio de Janeiro: Guanabara, 1986.

BAUMAN, Z; MAY, T. Aprendendo a Pensar com a Sociologia. Rio de Janeiro: Editora Zahar, 2010.

BERGER, P.; LUCKMANN, T. A construção social da realidade. Petrópolis, RJ: Vozes, 1985.

BOURDIEU, P. As regras da arte: gênese e estrutura do campo literário. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

BÜHLER-NIEDERBERGER, D. Childhood Sociology in Ten Countries: Current Outcomes and Future Directions. Current Sociology, v. 58, n. 2, p. 369-384, 2010.

CASTRO, L. R. DE; KOSMINSKY, E. Childhood and its Regimes of Visibility in Brazil. An Analysis of the Contribution of the Social Sciences. Current Sociology, v.58, n. 2, p. 206-231, 2010.

CAVAGNOUD, R.; SUREMAIN, C. De.; GONZÁLEZ, P. 2013. Introducción. BULLETIN de l’Institut Français d’Études Andines, Tome v. 42, n. 3, Lima- Perú, p. 323-332, 2013.

CORSARO, W. Sociologia da infância. Porto Alegre, RS: Artmed, 2011.

CORSARO, W. The sociology of childhood. Thousand Oaks. Pine Forge Press, 1997.

CORSARO, W. Friendship and peer culture in the early years. Norwood, N.J.: Ablex, 1995.

CUSSIÁNOVICH, A .What does protagonism mean? In: LIEBEL, M.; OVERWIEN, B.; RECKNAGE, A. (Eds.) Working children’s protagonism: Social movements and empowerment in Latin America, Africa and India. London: IKO, 2001, p.157-169.

DURKHEIM, E. Educação e sociologia. Trad. Lourenço Filho, 4ª edição, São Paulo: Edições Melhoramento, 1978.

DURKHEIM, E. Sociologia, Educação e Moral. Porto: RÉS-Editora, 1984.

GAITÁN MUÑOZ, L. El bienestar social de la infancia y los derechos de los niños. Política y sociedad, v. 43, n. 1, p.63-80, 2006.

GOMES, F. M.. As Epistemologias do Sul de Boaventura de Sousa Santos: por um resgate do sul global. Revista Páginas de Filosofia, v. 4, n. 1, p. 39-54, 2012.

JAMES, A.; PROUT, A. Constructing and reconstructing childhood: Contemporary issues in the Sociological Study of Childhood. London: The Falmer Press, 1990.

JARAMILLO, E. Pensamiento social sobre la infancia: una mirada sociohistórica desde el sur global. Discursos Del Sur, Revista De Teoría Crítica En Ciencias Sociales, v.1 n.2, p. 203-232, 2018.

JENKS, C. Constituindo a Criança. Educação, Sociedade e Culturas. Crescer e aparecer ou... para uma sociologia da infância. n. 17. Porto: Afrontamento, 2002, p. 185-216.

LIEBEL, M. ¿Niños sin Niñez? Contra la conquista poscolonial de las infancias del Sur glob. Millcayac - Revista Digital De Ciencias Sociales, v. e, n. 5, p. 245-272, 2016.

MARTINS, C. B. O que é sociologia. São Paulo: Brasiliense, 1994.

MORAN-ELLIS, J. Reflections on the sociology of childhood in the UK. Current Sociology, v.58, n. 2, p. 186-205, 2010.

MOSS, P. Beyond Early Childhood Education and Care. Early Childhood Education and Care. Stockholm, 2011.

NASCIMENTO, M. L. B. P. (Coord.). Infância e Sociologia da Infância: entre a invisibilidade e a voz. Relatório Científico. São Paulo: FEUSP/ CNPq, 2013.

NASCIMENTO, M. L. B. P. Estudo da infância e desafios da pesquisa: estranhamento e interdependência, complexidade e interdisciplinaridade. Childhood & philosophy, Rio de Janeiro, v. 14, n.29, p. 11-25, 2018.

NIEUWENHUYS, O. Theorizing childhood(s): Why we need postcolonial perspectives. Childhood, v. 20, n.1, p. 3-8, 2013.

PADAWER, A. [Entrevista cedida a] Monique Ap. Voltarelli, 2015. In: VOLTARELLI, M.A. Estudos da infância na América do Sul: pesquisa e produção na perspectiva da sociologia da infância. Tese (Doutorado em Educação), Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, SP, 2017.

PARSONS, T. The Social System. New York: Free Press, 1951.

QVORTRUP, J. A infância enquanto categoria estrutural. Educação e Pesquisa, v.36, n.2, p.631-644, 2010.

QVORTRUP, J. Nove teses sobre a “infância como um fenômeno social”. Pro-Posições, v.22, n. 1, p. 199-211, 2011.

QVORTRUP, J. Introduction, International Journal of Sociology, v.17, n.3, p. 3-37, 1987.

QVORTRUP, J; CORSARO, W.; HONIG, M-S. The Palgrave Handbook of Childhood Studies. Palgrave Macmillan, 2009.

SANTOS, B. DE S.; MENESES, M. P. (Org.). Epistemologias do Sul.São Paulo: Cortez, 2010.

SARMENTO, M. J.. Sociologia da Infância: correntes e confluências. In: GOUVEA, M.C.; SARMENTO, M.J. (orgs.) Estudos da infância: educação e práticas sociais. Petrópolis: Vozes, p. 17-39, 2008.

SZULC, A. La investigación etnográfica con niños y niñas. aportes e inquietudes. Simposio “Antropología y Niñez: Desafíos contemporáneos en América Latina”. Buenos Aires, 2008.

UNDA, R. Sociología de la Infancia y Política Social ¿compatibilidades posibles?, In: IFEJANT: Infancia y adolescencia en América Latina. Aportes desde la sociología, Tomo I, Lima: IFEJANT, 15-29, 2003.

VOLTARELLI, M. A. Estudos da infância na América do Sul: pesquisa e produção na perspectiva da Sociologia da infância. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017.

Downloads

Publicado

31/03/2021

Como Citar

Aparecida Voltarelli, M. (2021). Da margem ao centro: a visibilidade das crianças sul americanas nos estudos da infância. Serviço Social Em Debate, 3(1). Recuperado de https://revista.uemg.br/index.php/serv-soc-debate/article/view/5496

Edição

Seção

Temas livres