A Nova República nos acordes do Rock Nacional

Autores

  • Rodrigo César Ribeiro Horta

Palavras-chave:

Música Popular, Rock Nacional, Nova República, Democracia, Imaginário

Resumo

Analisar o imaginário político produzido pelas bandas do Rock Nacional, durante a transição democrática brasileira, na década de 1980, é o objetivo fundamental deste artigo. Na perspectiva do vínculo entre música popular e conhecimento histórico, são examinadas representações políticas acerca do Estado, dos militares e da Nação, formuladas pela linguagem do Rock Nacional, concluindo que os compositores, de maneira geral, apostaram nos valores da democracia.

Referências

I. Bibliografia

ABRAMO, Helena. Cenas juvenis: punks e darks. São Paulo: Página aberta, 1994.

BAQUERO, Marcello. Cultura política participativa e desconsolidação democrática: reflexões sobre o Brasil contemporâneo. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 15, n.4, p. 98-104, 2001.

BETHELL, Leslie. De eleições sem democracia a democracia sem cidadania. pp.9-45. In: BETHELL (Org.) Brasil – fardo do passado, promessa do futuro: dez ensaios sobre política e sociedade brasileira. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.

CARVALHO, José Murilo de. Terra do Nunca: sonhos que não se realizam. In: BETHELL, Leslie(Org.). Brasil: fardo do passado, promessa do futuro: dez ensaios sobre política e sociedade brasileira. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.

CARVALHO, José Murilo de. Forças armadas e política no Brasil. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

CARVALHO, José Murilo. Cidadania no Brasil – o longo caminho. 15ª edição. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012.

CARVALHO, M. A. R de. O samba, a opinião e outras bossas... na construção republicana do Brasil. p.37-68. In: STARLING, H. et al. (Orgs.). Decantando a República: inventário histórico e político da canção popular moderna brasileira. Volume 1. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2004/São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2004.

CAVALCANTE, Berenice. A República às avessas: boemia carioca e crítica libertina. p.117-132. In.

STARLING, H. et al. (Orgs.). Decantando a República: inventário histórico e político da canção popular moderna brasileira. Volume 2. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2004/São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2004.

DAPIEVE, Arthur. BRock – o rock brasileiro dos anos 80. 3ª Ed. Rio de Janeiro. Editora 34, 2000.

FERREIRA, Jorge. O presidente acidental: José Sarney e a transição democrática. In: FERREIRA, Jorge. & DELGADO, Lucília de Almeida (orgs.) O Brasil Republicano – o tempo da Nova República. Volume 5. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

GRANGEIA, Mário Luis. Pátria amada, não idolatrada: o Brasil no rock dos anos 1980/1990. In:

FERREIRA, Jorge. & DELGADO, Lucília de Almeida (orgs.) O Brasil Republicano – o tempo da Nova República. Volume 5. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018. p. 353-389.

HERMETO, M. Canção popular brasileira e ensino de História: palavras, sons e tantos sentidos. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2012. – (Coleção práticas docentes, 2)

MARTINS, Bruno Viveiros. Pro dia nascer feliz: A Nova República e o rock brasileiro na década de 1980. Tese de doutorado (História). Fafich-UFMG, 2019.

MATOS, Olgária. Tardes de Maio. pp.181-192. In: Maria Alice Vieira, Marco Aurélio Garcia (orgs.) Rebeldes e contestadores: 1968: Brasil, França e Alemanha. Perseu Abramo, 1999.

MORAIS, Bruno Vinicius L. de. “Sim, sou um negro de cor” – Wilson Simonal e a afirmação do Orgulho Negro no Brasil dos anos 1960. Dissertação (História). Fafich-UFMG, 2016.

NAPOLITANO, Marcos. História & Música. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.

ROCHEDO, Aline. Derrubando Reis – a juventude urbana e o rock brasileiro nos anos 1980. Rio de Janeiro: Multifoco, 2014.

RODRIGUES, Marly. A década de 80 - Brasil: quando a multidão voltou às praças. 3ª Ed. São Paulo: Ática, 1999.

SOUZA, Maria Campello de. “A Nova República brasileira: sob a espada de Dâmocles”. In: STEPAN, A. (org). Democratizando o Brasil. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

TATIT, Luiz. O Século da Canção. Cotia, SP: Ateliê Editorial, 2004.

II. Discografia

BARÃO VERMELHO. Supermercados da vida. WEA, 1992.

BIQUINI CAVADÃO. Descivilização. Polygram, 1991.

CAMISA DE VÊNUS. Duplo Sentido. WEA, 1987.

CAPITAL INICIAL. Capital Inicial. Polygram, 1986.

CAPITAL INICIAL. Independência. Polygram, 1987.

CAZUZA. Ideologia. Polygram, 1988.

CAZUZA. Burguesia. Philips, 1989.

CAZUZA. Por Aí. Philips, 1991.

HANÓI-HANÓI. Fanzine. SBK/CBS, 1988.

IRA! Ira. WEA, 1983.

LEGIÃO URBANA. Que país é este, 1978/1987. EMI-Odeon, 1987.

LEGIÃO URBANA. Descobrimento do Brasil. EMI, 1993.

LÉO JAIME. Phodas C... CBS, 1983.

LOBÃO. Cuidado! RCA Victor, 1988.

PARALAMAS DO SUCESSO. Big Bang. EMI-Odeon, 1989.

PLEBE RUDE. O concreto já rachou. EMI-Odeon, 1986.

PLEBE RUDE. Nunca fomos tão brasileiros. EMI-Odeon, 1987.

PLEBE RUDE. Plebe Rude III. EMI-Odeon, 1988.

RPM. Rádio Pirata ao vivo. CBS, 1986.

TITÃS. Cabeça Dinossauro. WEA, 1986.

TITÃS. Jesus não tem dentes no país dos banguelas. WEA, 1987.

ULTRAJE A RIGOR. Nós vamos invadir sua praia. WEA, 1985.

ULTRAJE A RIGOR. O Mundo Encantado do Ultraje a Rigor. WEA, 1992.

UNS & OUTROS. A Terceira Onda. Epic, 1990.

III. Filmografia

BARÃO VERMELHO. Rock In Rio 1985. Som Livre, 2007

PARALAMAS DO SUCESSO. Ao vivo no Rock in Rio 1985. EMI, 2007

Downloads

Publicado

31/12/2020

Como Citar

Rodrigo César Ribeiro Horta. (2020). A Nova República nos acordes do Rock Nacional. SCIAS - Arte/Educação, 8(2), 25–49. Recuperado de https://revista.uemg.br/index.php/scias/article/view/5294