Práticas Pedagógicas com Ensino Híbrido - o que dizem as pesquisas?

Autores

  • Cíntia Velasco Santos Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.36704/sciaseducomtec.v3i1.4961

Palavras-chave:

Ensino Híbrido, Tecnologias Educacionais Digitais, Práticas Pedagógicas

Resumo

Este artigo propôs discutir potencialidades e limites do Ensino Híbrido, na educação pública básica brasileira, a partir de pesquisas de mestrado e doutorado sobre o tema. A análise qualitativa, de abordagem bibliográfica, apresentou alguns possíveis sentidos para as tecnologias educacionais digitais e aspectos das práticas pedagógicas permeadas por elas, analisando, especificamente, o Ensino Híbrido. A partir do aporte teórico de Horn, Staker e Chirstensen, abarcado pelas pesquisas analisadas, o estudo identificou que essa modalidade de ensino pode se apresentar como articulação entre o tradicional e o inovador – com suporte das tecnologias – e, por vezes, como solução educacional. Entretanto, suas potencialidades podem encontrar limitações na realidade das escolas públicas, onde há desigualdades de acesso e de letramento digital.

Biografia do Autor

Cíntia Velasco Santos, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

Professora de inglês na rede estadual do Rio de Janeiro e na Associação Educacional de Niterói. Graduada em Letras pela UERJ, com especializações em Linguística Aplicada e em Planejamento, Implementação e Gestão da EaD, ambas pela UFF. Mestre em Educação pela UERJ. Doutoranda em Educação na PUC-Rio.

Referências

ANJOS, Onofre Saback dos. Sala de aula híbrida: uma experiência com alunos do ensino fundamental. 2017. 107 f. Dissertação de Mestrado em Ensino das Ciências na Educação Básica – Universidade do Grande Rio Prof. José de Souza Herdy, Duque de Caxias, 2017.

ANTONELLO NETO, Alberto Pedro. Aplicação do ensino híbrido na educação profissional e tecnológica: potencialidades e dificuldades. 2017. 93 f. Dissertação de Mestrado em Educação Profissional e Tecnológica – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2017.

BARRETO, Raquel Goulart. Tecnologias e Sentidos. Revista Instrumento, Juiz de Fora, v. 20, n. 1, jan./jun. 2018. Disponível em https://periodicos.ufjf.br/index.php/revistainstrumento/article/view/19104/10113. Acesso em 31/05/2020.

_________. Formação de Professores, Tecnologias e Linguagens. São Paulo: Loyola, 2012.

BELLOTO, Vanessa Boscari. O ensino de matemática e o processo de construção da autonomia do aluno através das metodologias ativas e híbridas. 2019. 147 f. Dissertação de Mestrado Profissional em Rede Nacional (ProfMat) – Universidade Federal da Fronteira Sul, Chapecó, 2019.

CAMARGO, Fausto; DAROS, Thuinie. A sala de aula inovadora – estratégias pedagógicas para fomentar o aprendizado ativo. Porto Alegre: Penso, 2018.

CASAGRANDE, Andrea Moura. Ensino híbrido de Física utilizando a plataforma Moodle: um estudo sobre as contribuições educacionais no Ensino Médio. 2018. 230 f. Dissertação de Mestrado Profissional em Ciências – Universidade de São Paulo, Lorena, 2018.

CHRISTENSEN, Clayton; HORN, Michael B.; STAKER, Heather. Ensino Híbrido: uma inovação disruptiva? Uma introdução à teoria dos híbridos. Clayton Christensen Institute. Fundação Lemann e Instituto Península, 2013. Disponível em https://www.christenseninstitute.org/publications/ensino-hibrido/. Acesso em 01/06/2020.

DE LUNA, Sérgio Vasconcelos. Planejamento de Pesquisa – Uma introdução. São Paulo: Educ, 2011.

FELINTO, Erick. A religião das máquinas – ensaios sobre o imaginário da cibercultura. Porto Alegre: Sulina, 2005.

GATTI, Bernardete. Didática e formação de professores: provocações. Cadernos de Pesquisa, v. 47, n. 166, out-dez, 2017.

GOMES, Suzana. Didática, práticas docentes e o uso das tecnologias no ensino superior: saberes em construção. IN: Anais da 37ª Reunião Nacional da ANPEd. Florianópolis, 2015. Disponível em http://37reuniao.anped.org.br/wp-content/uploads/2015/02/Trabalho-GT04-3905.pdf. Acesso em 03/04/2020.

GUDANESCO, Stefania. New Educational Technologies. Procedia – Social and Behavioral Sciences, v. 2, January, 2010. Disponível em https://www.researchgate.net/scientific-contributions/2021284334_Stefania_Gudanescu. Acesso em 31/05/2020.

GUIMARÃES, Débora Sudatti. Cenários para investigação matemática no ensino fundamental: uma experiência com ensino híbrido na modalidade rotação por estações. 2019. 213 f. Dissertação de Mestrado Acadêmico em Ensino. Universidade Federal do Pampa, Bagé, 2019.

HEINSFELD, Bruna; PISCHETOLA, Magda. Cultura Digital e Educação, uma leitura dos estudos culturais sobre os desafios da contemporaneidade. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, v. 12, n. esp. 2, p. 1349-1371, ago./2019. Disponível em https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/10301/6689. Acesso em 02/06/2020.

HORN, Michael B.; STAKER, Heather. Blended: usando a inovação disruptiva para aprimorar a educação. Porto Alegre: Penso, 2015.

LUDWIG. Antônio Carlos. A pesquisa em educação. Revista Linhas, Florianópolis, v. 4, n. 2, outubro, 2003. Disponível em http://www.periodicos.udesc.br/index.php/linhas/article/view/1215. Acesso em 30/05/2020.

MARTINS, Lilian Cássia Bacich. Implicações da organização da atividade didática com uso de tecnologias digitais na formação de conceitos em uma proposta de Ensino Híbrido. 2016. 317 f. Tese de Doutorado em Psicologia – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016.

MAXIMINO, Mayara Evellyn Sá. Expansão das fronteiras da sala de aula: uso de uma rede social educativa no contexto do ensino híbrido na educação básica. 2018. 176 f. Dissertação de Mestrado Profissional em Educação e Docência – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2018.

MORAIS, Juliana Marcondes de. Neurociência cognitiva e ensino híbrido: investigando o modelo por rotações no ensino de matemática. 2019. 120 f. Dissertação de Mestrado Profissional em Ciências – Universidade de São Paulo, Lorena, 2018.

MORAN, José. Educação Híbrida: um conceito-chave para a educação hoje. IN: BACICH, L.; TANZI NETO, A.; TREVISANI, F. (Orgs.). Ensino híbrido: personalização e tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso, 2015.

OLIVEIRA, Maria Angélica Figueiredo. Estratégia híbrida para o processo ensino-aprendizagem baseada na participação ativa e avaliações integradas. 2019. 233 f. Tese de Doutorado em Informática na Educação – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2019.

PISCHETOLA, Magda; MIRANDA, Lyana. Metodologias ativas: uma solução simples para um problema complexo? Educação e Cultura Contemporânea, v. 16, no. 43, Rio de Janeiro, 2019.

SACAVINO, Susana; CANDAU, Vera Maria. Ensino Híbrido: possibilidades e questões IN: CANDAU, Vera Maria (Org.). Didática: tecendo/reinventando saberes e práticas. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2018.

SILVA, Jorge Everaldo Pittan da. Ensino híbrido: possíveis contribuições para a qualificação do ensino de história no ensino médio. 2016. 69 f. Dissertação de Mestrado Profissional em Ensino de História (ProfHistória) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2016.

Downloads

Publicado

19/08/2021

Como Citar

Santos, C. V. (2021). Práticas Pedagógicas com Ensino Híbrido - o que dizem as pesquisas?. SCIAS - Educação, Comunicação E Tecnologia, 3(1), 65–84. https://doi.org/10.36704/sciaseducomtec.v3i1.4961