A pandemia, as TDIC e ensino remoto na educação básica: desafios para as mulheres que são mães e professoras

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36704/sciaseducomtec.v2i2.5033

Palavras-chave:

Sobrecarga de trabalho. Precarização da educação. Tecnologias.

Resumo

Nesse momento no qual o Brasil e o mundo passam por uma crise sanitária sem precedentes, devido à uma nova doença humana, a Covid-19, causada pelo coronavírus, surgem desafios sociais, econômicos e educacionais. A chegada da pandemia provocada pelo coronavírus e a necessidade de se manter o distanciamento social fizeram com que o ensino presencial precisasse ser repensado. Adotou-se, no Paraná, o sistema de aulas remotas, com a utilização da plataforma Google Sala de Aula, plataforma oficial de ensino- aprendizagem da Secretaria de Estado da Educação do Paraná (SEED). O objetivo deste texto é apresentar um relato dessa experiência, a partir do ponto de vista da experiência profissional das autoras, da revisão da literatura e de narrativas de professoras, via redes sociais, além de reuniões e encontros online via plataformas como o Google Meet. As TIDCs são hoje uma realidade e, como mães e professoras, ressaltamos a importância do seu uso e todos os benefícios trazidos por elas. Destacamos o adoecimento das mulheres que são mães e atuam na docência, que já vivenciavam uma situação de sobrecarga no trabalho, ampliado consideravelmente durante a pandemia.  Nesse sentido, as mães e professoras tem apresentado sintomas de adoecimento compatíveis com a Síndrome de Burnout, o qual precisa ser melhor investigado.

Biografia do Autor

Eliandra Francielli Bini Jaskiw, Universidade Federal do Paraná

Mestre no Ensino de Ciências Ambientais pela UFPR- Setor Litoral; especialista em Educação, Meio Ambiente e Desenvolvimento pela UFPR; especialista em Educação Especial Inclusiva pela Faculdade São Bráz; graduada em Ciências Biológicas pelas Faculdades Integradas Espírita.

Claudemira Vieira Gusmão Lopes, Universidade Federal do Paraná

Professora Adjunta da Licenciatura em Educação do Campo e do Programa de Pós-Graduação em Rede Nacional para Ensino das Ciências Ambientais da Universidade Federal do Paraná, Coordenadora Núcleo de Tecnologia Educacional da UFPR – Setor Litoral

Referências

BERGER, P.; LUCKMANN, T. A construção social da realidade. Petrópolis: Vozes, 1985. 247p.

CARVALHO, L. A. de; FERREIRA DOS SANTOS, S.; PEREIRA OLIVEIRA, L. F.; RIBEIRO GALDINO, M. E. Tecnologias digitais de informação e comunicação (tdic’s) e a sala de aula. Humanas & Sociais Aplicadas, v. 9, n. 26, p. 32-51, 19 dez. 2019.

CODO, W.; VASQUES-MENEZES, I. O que é Burnout? In: CODO, W. (Coord.). Educação: carinho e trabalho. Petrópolis (RJ): Vozes/Brasília: Confederação Nacional dos Trabalhadores em educação: Universidade de Brasília. Laboratório de Psicologia do Trabalho, 1999.

ESTEVES, J. M. O mal-estar docente: a sala - de – aula e a saúde dos professores. Bauru, SP: EDUSC, 1999.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 19. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987

IBGE. https://www.ibge.gov.br/ Acesso 22/07/2020.

LAPA, A. B.; TEIXEIRA, G. G. S. Tutor é docente da EaD? In: REALI, A. M. M. R.;

MILL, D. Educação a distância e tecnologias digitais: reflexões sobre sujeitos, saberes, contextos e processos. São Carlos: EdUFSCar, 2014, p.199-214.

MILL, D. Docência virtual: uma visão crítica. Campinas: Papirus, 2012.

MILL, D. Sobre o conceito de polidocência ou sobre a natureza do processo de trabalho pedagógico na Educação a Distância. In: MILL, D.; RIBEIRO, L. R. de C.; OLIVEIRA, M. R. G. de (Orgs.). Polidocência na Educação a Distância: múltiplos enfoques. São Carlos: EdUFSCar, 2014, p. 25-42.

MINAYO, M. C. O desafio do conhecimento. São Paulo: Brasiliense, 2006.

NETO, J. M. F. A. Sobre ensino, aprendizagem e a sociedade da tecnologia: por que se refletir em tempo de pandemia? Prospectus, v. 2, n. 1, p. 28-38, 2020.

NEVES, I. S. V.; CORRADI, W.; CASTRO, C. L. F. EaD: diálogos, compartilhamentos, práticas e saberes. Barbacena: EdUEMG, 2016

PRENSKY, Marc. Nativos digitais, imigrantes digitais. On the horizon, v. 9, n. 5, p. 1-6, 2001.

ROEHE, P. Coronavírus, Covid-19, SARSCoV-2 e outros – um ponto de vista virológico. Mai, 2020. Disponível em:< https://www.ufrgs.br/coronavirus/base/artigo-coronavirus-covid-19-sarscov-2-e-outros-um-ponto-de-vista-virologico/>. Acesso em 21/07/2020.

TEBEROSKY, A.; COLOMER, T. Aprender a ler ea escrever: uma proposta construtivista. Artmed, 2003.

TIEPOLO, E. V. A pandemia do Covid- 19 e a panaceia da EaD. Revista Espaço Acadêmico. Educação. ISSN 1519-6186 – ANOXX, mensal. Disponível em: https://espacoacademico.wordpress.com/Acesso em: 16/04/2020.

WERNECK, G. L.; CARVALHO, M. S. A pandemia de COVID-19 no Brasil: crônica de uma crise sanitária anunciada. Maio de 2020. Disponível em:< http://cadernos.ensp.fiocruz.br/csp/artigo/1036/a-pandemia-de-covid-19-no-brasil-crnica-de-uma-crise-sanitria-anunciada>. Acesso em 20/07/2020.

Downloads

Publicado

12/02/2021

Como Citar

Jaskiw, E. F. B., & Lopes, C. V. G. (2021). A pandemia, as TDIC e ensino remoto na educação básica: desafios para as mulheres que são mães e professoras. SCIAS - Educação, Comunicação E Tecnologia, 2(2), 231–250. https://doi.org/10.36704/sciaseducomtec.v2i2.5033