Um caminho não imaginado: mães cientistas em debate com a ordem do discurso

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36704/sciaseducomtec.v2i2.5076

Palavras-chave:

maternidade – pandemia – tecnologia

Resumo

O presente trabalho pretende apresentar um panorama de como a pandemia alterou a lógica de funcionamento das relações de mães cientistas com seus filhos, trabalho, escola e estudos. Historicamente, a localização física do ambiente de trabalho e de escola, foi organizada para existir em espaços diferenciados e bem delimitados geograficamente. Essa configuração se modificou drasticamente no contexto pandêmico impondo que a realização das tarefas profissionais e escolares passasse a existir nas próprias casas. Somado a essa alteração, o uso da tecnologia passou a ser central na vida de todos independente da existência de críticas anteriores a essas ferramentas. Observa-se ainda, o atravessamento de questões ligadas a gênero e raça nesse contexto

Biografia do Autor

Luciana Gomes da Luz Silva, Universidade Federal de Minas Gerais

Graduada em Psicologia pela UFMG (1997). É especialista em Democracia pela UFMG (2008). Atualmente é servidora Técnico-Administrativo em Educação da UFMG e mestranda do Programa de Pós-Graduação: Mestrado Profissional, Educação e Docência da linha de Ensino e Humanidades.

Referências

ALMEIDA, S. L. Racismo estrutural. São Paulo: Pólen Livros, 2019.

DESSEN, M. A.; BRAZ, M. P. Rede social de apoio durante transições familiares do nascimento de filhos. Psic .: Teor. e Pesq. , Brasília, v. 16, n. 3, p. 221-231, dezembro de 2000. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-37722000000300005&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 30 de julho de 2020.

CARNEIRO, S. Escritos de uma vida. São Paulo: Pólen Livros, 2019

GONZÁLEZ, L. Racismo e sexismo na cultura brasileira. In: Revista Ciências Sociais Hoje, Anpocs, 1984, p. 223-244. Disponível em: <https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/4584956/mod_resource/content/1/06%20-%20GONZALES%2C%20L%C3%A9lia%20-%20Racismo_e_Sexismo_na_Cultura_Brasileira%20%281%29.pdf >. Acesso em 11 ago. 2020

FOUCAULT, M. A ordem do discurso: aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. Tradução de Laura Fraga de Almeida Sampaio. São Paulo: Edições Loyola, 2012.

MION, M.; CARVALHO, M. J. Educação em tempos de redes em uma sociedade de consumidores. SCIAS Educação, Comunicação e Tecnologia. v. 2, n. 23, p. 23-38, jan-jun, 2020. Disponível em: <http://revista.uemg.br/index.php/SCIASEdcomtec/article/view/4458/2765>. Acesso em 11 ago. 2020

QUILOMBA, G. Memórias da Plantação: Episódios de racismo cotidiano. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.

STELLIN, R. et al . Processos de construção de maternagem. Feminilidade e maternagem: recursos psíquicos para o exercício da maternagem em suas singularidades. Estilos da clinica, São Paulo , v. 16, n. 1, p. 170-185, jun. 2011 . Disponível em: . Acesso em 11 ago. 2020.

Downloads

Publicado

12/02/2021

Como Citar

Silva, L. G. da L. (2021). Um caminho não imaginado: mães cientistas em debate com a ordem do discurso. SCIAS - Educação, Comunicação E Tecnologia, 2(2), 361–376. https://doi.org/10.36704/sciaseducomtec.v2i2.5076