O paradigma da Complexidade e a sua aplicação na Educação: reflexões sobre a prática docente

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36704/sciaseducomtec.v3i1.5163

Palavras-chave:

Teoria Geral dos Sistemas, Sistemas Adaptativos Complexos, Complexidade, Teoria do Caos, Fractais na Educação.

Resumo

Este artigo apresenta reflexões de três pesquisadores que se dedicam ao estudo das teorias que compõem o paradigma da Complexidade nos contextos de ensino e de aprendizagem. O objetivo foi facilitar o entendimento de estudantes, professores e pesquisadores iniciantes no estudo da Complexidade com seus desdobramentos no campo da Educação. Para isso, este trabalho abordou a Complexidade como um conjunto de teorias já consolidadas na academia, como por exemplo, a Teoria Geral dos Sistemas (TGS), a Teoria do Caos e a Geometria Fractal. O ponto em comum entre elas é o destaque que conferem ao fator “interação” entre os componentes de um determinado sistema, como a escola, e à autossimilaridade, que possibilita certa previsibilidade de fenômenos aleatórios. Foi possível observar que as propriedades características das abordagens complexas são fundamentais para a compreensão das relações inerentes à prática docente.

Biografia do Autor

Mateus Esteves de Oliveira, CEFET (Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais)

Mestre (2019) e doutorando em Estudos de Linguagens (CEFET-MG); graduado em Gestão Comercial (Universidade de Itaúna, 2013) e Letras Port-Ing pelo Centro Universitário de Araras "Dr. Edmundo Ulson" (UNAR, 2019); pós-graduado em Gestão de Finanças e Pessoas (UEMG, 2015) e em Docência no Ensino Superior e Tutoria em Ensino a Distância (ISEAT - Instituto Superior de Educação Ateneu, 2018).  

 

Adriana Alves Pinto, CEFET (Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais)

Professora de língua inglesa do ensino básico da Escola Estadual Celmar Botelho Duarte Belo Horizonte-MG. Doutoranda em Estudos de Linguagens no CEFET-MG. Graduanda em Letras-Português pela FAEL. Mestre em Estudos linguísticos-Tradução língua inglesa pela UFMG. Especialista em Produção de Material Didático Utilizando o Linux Educacional pela Universidade Federal de Lavras (UFLA). Graduada em Letras-Licenciatura e Bacharelado-língua inglesa.

Arcade Johannes Kakpo, CEFET (Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais)

Doutorando em Estudos de Linguagens pelo Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG). Mestre em Estudos de Linguagens pelo Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG). Graduando em Direito-Relações Internacionais pela Universidade de Abomey-Calavi (UAC/Benin). Graduando em Letras-Espanhol pela Universidade de Abomey-Calavi (UAC/Benin).

Referências

REFERÊNCIAS

ARAÚJO, A. C. M. de; GOUVEIA, Luís B. Uma revisão sobre os princípios da teoria geral dos sistemas. Revista Estação Científica, Juiz de Fora, n. 16, p. 1-13, jul/dez. 2016. Disponível em: <https://portal.estacio.br/media/3727396/uma-revis%C3%A3o-sobre-os-princ%C3%ADpios-da-teoria-geral-dos-sistemas.pdf>. Acesso em: 02 jul. 2020.

BAR-YAM, Y. Dynamics of Complex Systems. 2. ed. Addison-Wesley, 2003, p. 258-294.

BRIGGS, J. Fractals: the pattern of chaos Discovering a new aesthetic of art, science, and nature. A Touchstone book, 1992.

CHIAVENATO, I. Introdução à Teoria Geral da Administração. 3. ed. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil, 1983.

ENRIQUEZ, L. Fractal: an educational model for the convergence of formal and non-formal fractal. Open Praxis, v. 9. n. 4, 2017.

FEY, F.; ROSA, J. A. Teoria do caos: a ordem na não-linearidade, Universo Acadêmico, Taquara, v. 5, n. 1. 2012. Disponível em: <https://www2.faccat.br/portal/sites/default/files/ckeditorfiles/ua2012_ffey_jarosa.pdf>. Acesso em: 30 abr. 2020.

HOLLAND, J. H. Hidden Order: How adaptation builds complexity, Edição em paperback. Helix Books, 1997.

LARSEN-FREEMAN, D. Chaos/complexity science and second language acquisition. Applied Linguistics, 18, 1997. p. 141-165. Disponível em: <https://www.uibk.ac.at/anglistik/staff/freeman/course-documents/diane_chaos_paper.pdf > Acesso em: 4 de mar. de 2018.

______, D. Classroom-oriented research from a complex systems perspective. 2016. Disponível em: <https://www.researchgate.net/publication/308842593>. Acesso em: 24 de set. de 2018.

______, D. The emergence of complexity, fluency, and accuracy in the oral and written production of five Chinese learners of English. Applied Linguistics, v. 27, Issue 4, 1 December 2006, p. 590–619.

______, D.; CAMERON, L. Complex Systems and Applied Linguistics. Oxford University, 2008.

MANDELBROT, B. Les objets fractals: formes, hasard et dimensions. Flammarion, 1995.

MARTINS, A. C. S. A emergência de eventos complexos em aulas on-line e face-a-face: Uma Abordagem Ecológica. 2008. 189 f. Tese (Doutorado em Estudos de Linguagens) – Programa de Pós-Graduação em Estudos de Linguagens (POSLING), Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG), Belo Horizonte, 2008.

MORIN, E. Introdução ao pensamento complexo. Porto Alegre: Sulina, 2007.

TORRES, J. A Linguística na perspectiva da Teoria da Complexidade. 2017. (1h18min). Canal do YouTube Poliglotar. Disponível em: <https://youtu.be/6Q-7LTEXjwA>. Acesso em: 01 de jul. de 2020.

VAN LIER, L. The Ecology and Semiotics of Language Learning: A Sociocultural Perspective. Springer Science & Business Media, 2004.

VYGOTSKY, L. S. Pensamento e Linguagem. Edição eletrônica: Ed Ridendo Castigat Mores. 2008, 112 p.

Downloads

Publicado

19/08/2021

Como Citar

de Oliveira, M. E., Pinto, A. A., & Kakpo, A. J. (2021). O paradigma da Complexidade e a sua aplicação na Educação: reflexões sobre a prática docente. SCIAS - Educação, Comunicação E Tecnologia, 3(1), 85–99. https://doi.org/10.36704/sciaseducomtec.v3i1.5163