Estratégias de uma pesquisa sobre culturas indígenas: o uso do WhatsApp como recurso para produção de dados

Autores

  • Nilva Heimbach

DOI:

https://doi.org/10.36704/sciaseducomtec.v2i1.4604

Palavras-chave:

Pesquisa. Culturas indígenas. WhatsApp. Professores de Arte.

Resumo

O artigo propõe argumentar sobre o uso do recurso WhatsApp como ferramenta possível para pesquisa em educação. Apresenta os passos percorridos em uma investigação sobre culturas indígenas na Disciplina de Arte, obrigatória em decorrência da Lei 11.645/2008. Constata-se que o recurso é apropriado para produção de dados, por oportunizar a comunicação sincrônica ou assincrônica, favorecendo o diálogo com os entrevistados  em tempos e espaços diferenciados, proporcionando que pesquisador e sujeitos da pesquisa estejam em campo em momentos distintos. O recurso tecnológico possibilitou discutir as percepções dos professores de Arte, suas propostas e as dificuldades encontradas com o tema culturas indígenas.

Biografia do Autor

Nilva Heimbach

Possui graduação em Educação Artística pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (1989), graduação em Segunda Licenciatura em Pedagogia pela Faculdade Educacional da Lapa (2018), mestrado em Educação pela Universidade Católica Dom Bosco (2008) e doutorado em Educação pela Universidade Católica Dom Bosco (2019). Atualmente é professor convocado da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul e professor da Prefeitura Municipal de Campo Grande. Tem experiência na área de Artes, com ênfase em Educação Artística, atuando principalmente nos seguintes temas: cultura indígena, artesanato regional, ensino de arte, apreciação estética, exposição e interculturalidade, currículo, colonialidade.

Referências

BHABHA, Homi. O local da cultura. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2005.

BRASIL. Lei nº 11.645, de 10.03.08. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, modificada pela Lei no 10.639, de 9 de janeiro de 2003, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena”. Brasília. 2008.

CANDAU, V. M. F. Multiculturalismo e educação: desafios para a prática pedagógica. In: MOREIRA, Antônio Flávio. CANDAU, Vera Maria (Orgs.). Multiculturalismo: diferenças culturais e práticas pedagógicas. 2. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008, p. 13-37.

FANON, Frantz. Pele negra. Máscaras brancas. Rio de Janeiro: Editora Fator, 2015.

FÉLIX, Jeane. Entrevistas on-line ou algumas pistas de como utilizar bate-papos virtuais em pesquisas na educação e na saúde. In: MEYER, Dagmar Estermann; PARAÍSO, Marlucy Alves (Orgs.). Metodologias de pesquisas pós-críticas em Educação. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2014, p.235-154.

GAUTHIER, Jacques. Carta aos caçadores de saberes populares. Conversação com Elisa Pereira Gonçalves. In: COSTA, Marisa Vorraber (Org.). Educação popular hoje. São Paulo: Edições Loyola, 1998, p.181-212.

________. O oco do vento: metodologias da pesquisa sociopoética e estudos transculturais. Curitiba: CRU, 2012.

HEIMBACH, Nilva. Culturas indígenas, ensino de Arte e a Lei 11.645/2008: possibilidades interculturais? Tese (Doutorado em Educação). Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande, 213 p. 2019.

IBGE. Os indígenas no Censo Demográfico 2010. Brasília, 2010. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/indigenas/indigena_censo2010.pdf>. Acesso em: jan. 2019.

KINCLHELOE, J. L.; O poder da bricolagem: ampliando os métodos de pesquisa. In: KINCLHELOE, J. L.; KATHLEEN, S. B; Pesquisa em Educação: Conceituando a bricolagem. São Paulo: ARTMED. 2007, p.15-37.

MARTINS, Mirian Celeste; PICOSQUE, F. D. Giza; GUERRA, M. T. T. Teoria e prática do ensino de Arte: a língua do mundo. São Paulo: FTD, 2010.

PARAÍSO, Marlucy. Metodologias de pesquisas pós-críticas em Educação e currículo: trajetórias, pressupostos, procedimento e estratégias analíticas. In: MEYER, Dagmar Estermann. e PARAÍSO, Marlucy Alves (Orgs.). Metodologias de pesquisas pós-críticas em Educação. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2014, p.25-47.

PASSOS, M. C. P. Encontros cotidianos e a pesquisa em Educação: relações raciais, experiência dialógica e processos de identificação. Educar em Revista, Curitiba, Brasil, n. 51, p. 227-242, jan./mar. 2014.

RICHTER, Ivone Mendes. Interculturalidade e estética do cotidiano no ensino das artes visuais. Campinas: Mercado de Letras, 2003.

SANTOS, Tania S. Do artesanato intelectual ao contexto virtual: ferramentas metodológicas para pesquisa social. In: Sociologias. Porto Alegre, ano 11, n. 21, jan./jun., p.120-156, 2009.

WALSH, Catherine. Interculturalidade Crítica e Pedagogia Decolonial: in-surgir, re-existir e re-viver. In: CANDAU, Vera Maria (Org.). Educação Intercultural na América Latina: entre concepções, tensões e propostas. RJ: Ed.7 Letras, 2009, p.12-41.

Downloads

Publicado

30/07/2020

Como Citar

Heimbach, N. (2020). Estratégias de uma pesquisa sobre culturas indígenas: o uso do WhatsApp como recurso para produção de dados. SCIAS - Educação, Comunicação E Tecnologia, 2(1), 83–98. https://doi.org/10.36704/sciaseducomtec.v2i1.4604