Por um olhar interseccional na universidade durante e pós-pandemia: entrevista com a Dra Joana Angélica Guimarães da Luz

Autores

  • Carolina Bessa Ferreira de Oliveira Universidade Federal do Sul da Bahia - UFSB

DOI:

https://doi.org/10.36704/sciaseducomtec.v2i2.5007

Palavras-chave:

Joana Angélica Guimarães da Luz, Interseccionalidade, Universidade, Tecnologia, Pandemia

Resumo

A partir do isolamento social imposto pela pandemia do novo coronavírus (COVID-19), que emerge no Brasil em março de 2020, muito se tem discutido sobre a utilização de tecnologias nas atividades laborais no espaço doméstico de pesquisadoras e professoras mães e/ou cuidadoras. Sendo a professora Dra. Joana Angélia Guimarães da Luz a primeira mulher negra eleita reitora em uma universidade federal no Brasil, além de mãe/avó, convidamos as/os leitoras/es para conhecer importantes aspectos de sua trajetória e suas percepções sobre a utilização das tecnologias nas atividades da mulher/mãe/pesquisadora/professora frente ao isolamento social. Esta entrevista foi concedida entre os meses de junho e julho de 2020, por e-mail, durante a pandemia. A interação oportunizada pela reitora demonstram sua disponibilidade em compartilhar sua experiência pessoal e profissional, que muito nos ensina em relação ao necessário olhar interseccional na universidade, evocando representatividade e cenários possíveis no âmbito da educação. Boa leitura!

Biografia do Autor

Carolina Bessa Ferreira de Oliveira, Universidade Federal do Sul da Bahia - UFSB

Docente da UFSB. Doutora em Educação pela USP. Mestra em Educação pela UFU. Especialista em Direitos Humanos pela CLACSO. Advogada e Pedagoga.

ORCID: https://orcid.org/0000-0002-7760-0974 

Downloads

Publicado

12/02/2021

Como Citar

Bessa Ferreira de Oliveira, C. (2021). Por um olhar interseccional na universidade durante e pós-pandemia: entrevista com a Dra Joana Angélica Guimarães da Luz. SCIAS - Educação, Comunicação E Tecnologia, 2(2), 52–58. https://doi.org/10.36704/sciaseducomtec.v2i2.5007