Mulheres, pesquisa e produção científica em tempos de isolamento social: entre o sentir, o cuidar e o tecnológico

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36704/sciaseducomtec.v2i2.5030

Palavras-chave:

Isolamento social. Mulheres, Pesquisa científica, Sentir, Tecnologia

Resumo

 O isolamento social provocado pela Covid-19 trouxe uma espécie de disrupção em nossas vidas. Reinventar-nos neste processo ao mesmo tempo em que a vida nos convida a reflexão esta posto dentro do que compreendemos ser o estilo desta época – o estético. Assim, este artigo intenciona buscar horizontes na perspectiva do ideal comunitário, na cultura do sentir, na cultura do cuidado e como todos nós estamos enredados pelo tecnológico a partir do contexto da cultura digital, na qual se forma a sociedade em rede. Para observar o que está ocorrendo do lado de cá do isolamento social de uma pós-graduanda, refletimos sobre a utilização do celular, um artefato tecnológico muito presente na vida dos indivíduos. Ao contemplar o mundo, pensando em suas complexidades, nos damos a possibilidade de renegociar as condições postas neste cenário de intensas reformulações sociais. 

Biografia do Autor

Aliana França Camargo Costa, Universidade Federal de Mato Grosso

Doutoranda em Educação pelo Programa de Pós-graduação em Educação da Universisdade Federal de Mato Grosso. Membro do grupo de pesquisa Laboratório de Estudos Sobre Tecnologia da Informação e Comunicação na Educação - LêTece.

Kátia Morosov Alonso, Universidade Federal de Mato Grosso

Doutora e docente associada da Universidade Federal de Mato Grosso. Docente do Programa de Pós-Graduação em Educação - PPGE - do Instituto de Educação da UFMT. Líder do Grupo de Pesquisa Laboratório de Estudos Sobre Tecnologias da Informação e Comunicação na Educação – LêTECE.

Referências

ADORNO, Theodor W. Educação e Emancipação. 3ª edição. Trad. Wolfgang Leo Maar, Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995.

BARTHES, Roland. A câmera clara: nota sobre a fotografia. Trad. Júlio Castañon Guimarães. Ed. Especial. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2015.

BAUMAN, Zygmund. Vida líquida. Tradução Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2007

BUCKIMGHAN, David. Crescer na era das mídias: após a morte da infância. Tradução Gilka Girardello e Isabel Orofino. Florianópolis, 2006.

CAMILLO, Mateus. Uso de smartphones cresceu na pandemia e mudou forma como mulheres, idosos e mais pobres se conecta. Folha de São Paulo, São Paulo, 05 jun. 2020. Disponível em:

https://hashtag.blogfolha.uol.com.br/2020/06/05/uso-de-smartphones-cresceu-na-pandemia-e-mudou-forma-como-mulheres-idosos-e-mais-pobres-se-conectam/?pwgt=kuf6l9jav0x5s96rjjiuer9gtba0ijvkxa9j1dprv12upcle&utm_source=whatsapp&utm_medium=social&utm_campaign=compwagift. Acesso em: 07 de jun. de 2020.

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. A era da informação: economia, sociedade e cultura. Trad. Roneide Venâncio Majer. 6ª ed. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

CASTELLS, Manuel. A galáxia da internet: reflexões sobre a internet, os negócios e a sociedade. Trad. Maria Luiza X. de A. Borges; revisão técnica Paulo Vaz. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2003.

CASTELLS, Manuel. O poder da comunicação. Trad. Vera Lúcia Mello Joscelyne. 1º ed. São Paulo/Rio de Janeiro: Paz e Terra. 2015.

ESPINOSA, Baruch de. Ética. Partes III, IV e V. Trad. Joaquim Ferreira Gomes e Antônio Simões. São Paulo, SP: Ed. Nova Cultural. Coleção Os pensadores. 2000.

GERE, Charlie. Digital Culture. Reaktion Books: London. Second Editon, 2008.

HARARI, Yuval Noah. Sapiens: uma breve história da humanidade. Trad. Janaína Mascoantonio. Porto Alegre, RS: L&PM, 2018. 592 p.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Acesso à internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal 2018. Rio de Janeiro, 2020. 12 p. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/index.php/biblioteca-catalogo?view=detalhes&id=2101705. Acesso em: 07 maio 2020.

IPEA – INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. Economia dos cuidados: marco teórico-conceitual. Relatório de pesquisa. Rio de Janeiro: Ipea, 2016.

KERCKHOVE, Derrick de. A pele da cultura: Investigando a nova realidade eletrônica. São Paulo: Annablume, 2009. 250 págs.

MAFFESOLI, Michel. A contemplação do mundo. Porto alegre: Artes e Ofícios ed. 1995.

MAFFESOLI, Michel. O imaginário é uma realidade. Entrevista concedida a Juremir Machado da Silva, em Paris, em 20 de mai de 2001. Porto Alegre: revista Famecos, nº 15. 2001.

PRESTES, Zoia Ribeiro. Quando não é quase a mesma coisa: Análise de traduções de Lev Semionovitch Vigotski no Brasil, repercussões no campo educacional. Orientadora: Drª Elizabeth Tunes. Tese apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Educação da Universidade de Brasília/UnB. 2010.

PULLMAN, Philip. A bússola dourada. Rio de Janeiro: Objetiva, 2002.

SCHILDBERG, Cäcilie at all. Uma economia para o cuidado e a sustentabilidade: nota conceitual a partir de uma perspectiva feminista. A Fundação Friedrich Ebert. São Paulo, Sp: Análise. 2015.

Downloads

Publicado

12/02/2021

Como Citar

Camargo Costa, A. F., & Alonso, K. M. (2021). Mulheres, pesquisa e produção científica em tempos de isolamento social: entre o sentir, o cuidar e o tecnológico. SCIAS - Educação, Comunicação E Tecnologia, 2(2), 287–307. https://doi.org/10.36704/sciaseducomtec.v2i2.5030