Mulher, mãe e professora: desafios e ressignificações na prática docente e na pesquisa em tempos de ensino remoto

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36704/sciaseducomtec.v2i2.5036

Palavras-chave:

Mulher. Mãe. Professora. Pesquisadora. Ensino Remoto.

Resumo

O seguinte artigo tem como objetivo relatar alguns dos desafios de ser mulher, mãe, professora e pesquisadora em tempos de ensino remoto em Manaus - Amazonas. Para esse fim fez-se necessário estudo bibliográfico sobre a mulher na educação, buscando pontuar alguns aspectos latentes a feminização da profissão docente, sendo atualmente a mulher o grande público profissional da educação. Destaca-se os desafios com uso da tecnologia como ferramenta pedagógica para colaborar no processo de ensino-aprendizagem nas aulas remotas, a visão crítica sobre o projeto Aula em Casa, desenvolvido pelas secretarias de educação do estado do Amazonas e prefeitura de Manaus, que através de cooperação técnica transmitem aulas por canal televisivo e internet, acompanhado pelos professores através de uso de mídias sociais na visão da professora. E ainda, o desafio da pesquisadora que se coloca como mulher professora e pesquisadora em um mestrado em Ensino Tecnológico no cenário da pandemia COVID-19. Pontua-se a partir da percepção do relato a visão da autora sobre alguns desafios enfrentados, destacando ressignificações dentro dessa narrativa da mulher que é professora e pesquisadora no momento histórico de uma pandemia.

Biografia do Autor

Maria Izaíra da Silva Gil, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas - IFAM

Sou Licenciada em Pedagogia e bacharela em Administradora Pública. Atuo como professora da SEMED - AM, e também, como professora tutora em uma Instituição de Ensino Superior privada. Sou mestranda em Ensino Tecnológico pelo Instituto Federal de Educação e Tecnologia do Amazonas, com áreas de interesse em formação de professores, histórias de vida, mulher,identidade docente feminina, coordenação pedagógica e políticas educacionais.

Referências

BRASIL. CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. CONSELHO PLENO. Resolução CNE/CP nº 2, de 22 de dezembro de 2017a (*) Institui e orienta a implantação da Base Nacional Comum Curricular, a ser respeitada obrigatoriamente ao longo das etapas e respectivas modalidades no âmbito da Educação Básica. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=79631 -rcp002-17-pdf&category_slug=dezembro-2017-pdf&Itemid=30192. Acesso: 20/04/2018.

Brasil. Lei no 9.394. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União 1996; 20 dez. Brasil. Lei no 9.394. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União 1996; 20 dez.

BRASIL. Ministério da Educação. Fica autorizada, em caráter excepcional, a substituição das disciplinas presenciais, em andamento, por aulas que utilizem meios e tecnologias de informação e comunicação, por instituição de educação superior integrante do sistema federal de ensino, de que trata o art. 2º do Decreto nº 9.235, de 15 de dezembro de 2017. Portaria no. 345, de 19 de março de 2020. Disponível em: https://abmes.org.br/arquivos/legislacoes/Portaria-mec-345-2020-03-19.pdf Acesso em: 20.06.2020.

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO. Resolução nº 30/2020, de 18 de março de 2020, do Conselho Estadual de Educação (CEE-AM) Regime de aulas não presenciais no Sistema de Ensino do Estado do Amazonas. e atende os termos do Conselho Nacional de Educação (CNE), no Parecer CNE/CEB Nº 19/2009. Disponível em: http://www.educacao.am.gov.br/wp-content/uploads/2020/03/Resolucao-30-ano-2020.pdf. Acesso: 20.04.2020.

DAMETTO, Jarbas; ESQUINSANI, Rosimar Serena Siqueira. Mãe, mulher... professora! Questões de gênero e trabalho docente na agenda educacional contemporânea. Acta Scientiarum, v. 37, n. 2, p. 149- 155, jul.-dec. 2015.

LAWN, Martin & GROSVENOR, Ian. This is who we are and this is what we do: teacher identity and national identity in the mid 20th century english educational discourse. Paper presented at the ISCHE Conference, Sydney, Australia. (2000). Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi

/pdf/10.1080/ 14681360100200119?needAccess=true. Acessso : 20.04.2000.

SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO E DESPORTO. Diretrizes Pedagógicas para o Regime Especial de Aulas Não Presenciais do Estado do Amazonas. Departamento de Políticas e Programas Educacionais. Manaus, 2020. Disponível em: http://www.educacao.am.gov.br/wp-content/uploads/2020/03/DIRETRIZES-PEDAGoGICAS-23.03.pdf. Acesso em 20.04.2020.

SILVA, Geraldo Lúcio. O Aprender ao aprender na educação tecnológica. Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro Tecnológico. Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, 2002. Disponível em: http://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/83735. Acesso em 20.06.2020.

PAIVA, Vera Lúcia Menezes de Oliveira. A pesquisa narrativa: uma introdução. Revista brasileira de linguística aplicada. v. 8, n. 2, p. 261-266, 2008. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbla/v8n2/en_01.pdf. Acesso em: 20.06.2020.

PIMENTA, Selma Garrido. Formação de professores: identidade e saberes da docência. In: PIMENTA, Selma Garrido. (Org). Saberes pedagógicos e atividade docente. São Paulo: Cortez Editora, 1999.

Downloads

Publicado

12/02/2021

Como Citar

Gil, M. I. da S. (2021). Mulher, mãe e professora: desafios e ressignificações na prática docente e na pesquisa em tempos de ensino remoto. SCIAS - Educação, Comunicação E Tecnologia, 2(2), 75–89. https://doi.org/10.36704/sciaseducomtec.v2i2.5036