Escolas socioeducativas: especificidades e sugestões

Autores

  • Pedro Francisco Campos Neto

Resumo

O presente texto pretende discutir e propor iniciativas para a educação de adolescentes privados de liberdade. O debate tem como ponto de partida as interrogações feitas por Miguel Arroyo no artigo Quando a violência infanto-juvenil indaga a pedagogia. Assim, este trabalho, leva a discussão para o contexto das unidades de ensino intramuros. Tem início com registro da maneira com que as redes regulares expelem os alunos violentos e passa a dialogar com estudos que abordam violência criminal. Em seguida, pondera as especificidades da socioeducação e alguns entraves para sua boa execução. Por fim, faz sugestões visando que, dentro dos seus limites, a escola socioeducativa garanta o direito à educação, combata o atraso escolar e, com isto, fomente o retorno do adolescente aos estudos quando em liberdade.

Biografia do Autor

Pedro Francisco Campos Neto

Mestre em Políticas Públicas e Formação Humana pela UERJ (2018), graduado em História pela UFRRJ (2014). Atualmente cursa a Especialização em Educação em Direitos Humanos no IFRJ (2020-) e leciona na unidade socioeducativa de internação de Volta Redonda assim como na rede municipal de Quatis.

Downloads

Publicado

18/12/2020

Como Citar

Campos Neto, P. F. (2020). Escolas socioeducativas: especificidades e sugestões. SCIAS. Direitos Humanos E Educação, 3(2), 26–43. Recuperado de https://revista.uemg.br/index.php/sciasdireitoshumanoseducacao/article/view/5188