O Ensino profissional entre “especialistas” e “produtores”

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36704/eef.v24i44.6064

Palavras-chave:

ensino profissional, ensino agrícola, impressos, classes produtoras

Resumo

O artigo aborda os debates sobre o ensino profissional ocorridos na passagem do século XIX para o XX, comparando opiniões e propostas de “especialistas” nas questões agrícolas, tais como os engenheiros agrônomos, e de membros das classes produtoras, como fazendeiros, industriais e comerciantes. Analisam-se artigos dos periódicos Jornal do Agricultor (RJ), Revista Agrícola (SP) e Revista Industrial de Minas Geraes (MG), além de publicações referentes a reuniões de produtores, como o Congresso Agrícola, Industrial e Comercial, realizado em Belo Horizonte, em 1903. Conclui-se que o debate se aglutina em torno de três principais eixos: a mobilização das ideias de crise, atraso e ignorância, que sustentam a argumentação dos atores, não obstante haver diferentes propostas de ensino; a pretensa superioridade dos “especialistas” em contraposição à ignorância de produtores e de trabalhadores; os diversos modelos de ensino profissional pleiteados, que resultam em variadas modalidades de instrução.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carolina Mostaro Neves da Silva, Universidade de São Paulo

Doutora em Educação pela Universidade de São Paulo, na área temática "História da Educação e Historiografia" (2016). Mestre em Educação pela Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais, na linha de pesquisa História da Educação (2010). Graduada em História pela Universidade Federal de Minas Gerais e em Turismo pelo Centro Universitário Newton Paiva. Integrante do Grupo de Pesquisa: Intelectuais da educação brasileira: formação, ideias e ações, da FEUSP. Professora de História do Ensino Médio do Colégio São Domingos-SP. Na área de pesquisa, atua principalmente nos seguintes temas: elites, intelectuais, imprensa e educação.

Referências

Referências

ALONSO, Angela. O Positivismo de Luís Pereira Barreto e o pensamento brasileiro no final do século XIX. Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo, 1995. Disponível em: http://www.iea.usp.br/publicacoes/textos/alonsopositivismo.pdf. Acessado em: 27/10/2014.

COSTA, Guilherme Meirelles da. A formação política de João Pinheiro. Dissertação de Mestrado. (Mestrado em História) - Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, UFMG. Belo Horizonte, 2006.

FERRARO, Mario Roberto. Ciência, meio ambiente e cultura na Belle Époque Paulista: o “day after” da lavoura cafeeira. 2012. 332f. (Doutorado em ciências) – Instituto de Geociências, Universidade de Campinas. Campinas, 2012.

HENRIQUES, Amilson Barbosa. A cultura rotineira e a lavoura racional: proposições na Revista Agrícola (São Paulo, 1895-1907). 2010. 292f. (Mestrado em História) – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Assis, 2010.

MARTINS, Ana Luiza. Revistas em revista: imprensa e práticas culturais em tempos de República, São Paulo (1890-1922). São Paulo: Edusp, 2008. 593 p.

MELONI, Reginaldo Alberto. Ciência e produção agrícola: a Imperial Estação Agronômica de Campinas 1887-1897. São Paulo: Hamnitas/FFLCH/USP, 2004. 164p.

MENDONÇA, Sonia Regina. A vocação eminentemente agrícola do Brasil: a ordem a serviço do progresso. In: O ruralismo brasileiro (1888-1931). São Paulo: Hucitec, 1997, p.83-111.

MENDONÇA, Sonia Regina. Agronomia e poder no Brasil. Rio de Janeiro: Vício de leitura, 1998. 204p.

SILVA, Carolina Mostaro Neves da. (2016). “Para os grandes males, os grandes remédios”: propostas educacionais no Congresso Agrícola, Industrial e Comercial de Minas Gerais (1903) (Doutorado em Educação). Universidade de São Paulo, São Paulo.

SILVA, Carolina Mostaro Neves da. As propostas educacionais do Congresso Agrícola, Industrial e Comercial de Minas Gerais (1903). Revista Brasileira De História Da Educação, v. 21, p. e183, 2021.

Periódicos

ALBUQUERQUE F. A. P. de Carvalho e. Ensino Agrícola no Brazil. Jornal do Agricultor. Ano XII. Tomo XXIV, 14 de março de 1891, p. 174-7.

CARNEIRO. Rio, 23 de abril de 1894. O Estado de Minas Geraes. Ouro Preto, 30 de Abril de 1894, p. 2.

CARMO, Antonio Gomes. Ensino prático de agricultura. Revista Agrícola. Ano VI [1900]. n. 58, p. 188-190.

CARVALHO, Ferreira de. Ensino Agrícola Elementar. Jornal do Agricultor. Ano XIII. Tomo XXVI, 13 de fevereiro de 1892, p. 105-8.

CERAMICA NACIONAL. Revista Industrial de Minas Geraes. Anno III [1896], n. 18 e 19, p. 156.

CONGRESSO AGRÍCOLA, INDUSTRIAL E COMMERCIAL. Minas Geraes. Belo Horizonte, 27 de maio de 1903, p.1-5.

CUNHA, P. Campos de ensaios e de demonstrações agrícolas. Revista Industrial de Minas Geraes. Ano I [1893]. n. II, p. 44-45.

D’UTRA, Gustavo. Ensino professional agrícola. Jornal do Agricultor. Ano XV. Tomo XXVIII, 30 de setembro de 1893, p. 217-224.

DIÁRIO DE MINAS. Juiz de Fora, 30 de junho de 1889.

DRAENERT, Frederico M. Estações Agronômicas e escolas agrícolas. Revista Industrial de Minas Geraes. Ano I [1894]. n. IX, p. 230-1.

DRAENERT, Frederico M. Estações Agronômicas e escolas agrícolas. Revista Industrial de Minas Geraes. Ano II [1895]. n. XIII, p. 21-3.

DRAENERT, Frederico M. Revista Industrial de Minas Geraes. Ano III [1896]. n. XVI, p. 140-3.

ESCOLA AGRONÔMICA. Revista Agrícola. Ano I [1895]. n. 1, p. 16.

GRILLOT, L. Estação Agronômica. Revista Industrial de Minas Geraes. Ano II [1895]. n. XI, p. 288.

GUIMARÃES. Almanak do Jornal do Agricultor. 1886, p. 30.

INSTITUTO ZOOTECHNICO DE UBERABA. Revista Industrial de Minas Geraes. Ano V [1897]. N. 34, p. 130.

INTRODUÇÃO. Jornal do Agricultor. Ano I. Tomo I, 5 de julho de 1879, p. 1-4.

JORNAL DO AGRICULTOR. Ano XII. Tomo XXII, 19 de julho de 1890, p. 42-45.

MACHADO, Matheus F. de Souza. Propriedade Agrícola. Jornal do Agricultor. Ano XII. Tomo XXIII, 20 de setembro de 1890, p. 189-91.

MONTEIRO, E. Jacy. Producção ou morte!. Revista Agrícola. Ano: VI [1900]. n. 60, p. 248-53.

O NOSSO PROGRAMMA. Revista Industrial de Minas Geraes. Ano I [1893], p.3.

SILVA JUNIOR. Jornal do Agricultor. Ano XI. Tomo XXII, 4 de janeiro de 1890, p. 9-11.

SOBRAL, José Amandio. Campos de Demonstração do Estado de Minas Geraes. Revista Industrial de Minas Geraes. Ano IV [1897]. n. XXIV, p. 313-315.

SOUZA, Francisco Cardoso de. Guerra à rotina e à centralisação. Jornal do Agricultor. Ano XI. Tomo XXII, 5 de abril de 1890, p. 217-19.

TECHNOLOGIA. Revista Agrícola. Ano VI [1901]. n. 68, p. 228-230.

THIRÉ, Arthur. Assumptos Agrícolas. Revista Industrial de Minas Geraes. Ano I [1894]. n. X, p. 251-5.

THIRÉ, Arthur. Assumptos Agrícolas. Revista Industrial de Minas Geraes. Ano II [1895]. n. XIV, p. 48-53.

VELHO, Ervidio Pedreira de Souza. Colonisação no Brazil. Jornal do Agricultor. Ano XIII. Tomo XXVI, 5 de março de 1892, p. 153-67.

Downloads

Publicado

29/12/2021

Como Citar

Silva, C. M. N. da. (2021). O Ensino profissional entre “especialistas” e “produtores”. Educação Em Foco, 24(44), 34–58. https://doi.org/10.36704/eef.v24i44.6064

Edição

Seção

Dossiê - No enquanto da pandemia: grupalidade, cuidado e invenções na formação universitária.